Skip directly to content

Na Pfizer, maioria das funcionárias representa a principal fonte de renda da família

Políticas internas e benefícios que favorecem a harmonização da vida pessoal com a profissional auxiliam na valorização da força de trabalho feminina 

Se o aumento das mulheres no mercado de trabalho brasileiro é notório nos últimos anos, a equiparação dos salários delas com os rendimentos dos homens pode ser um desafio. Mas, na Pfizer, a valorização dos talentos femininos já é uma realidade. A maioria das funcionárias, ou 53% das colegas, responde por mais da metade de sua renda familiar, de acordo com uma pesquisa interna promovida pela companhia, o Censo Pfizer 2016. 

Hoje, as mulheres representam 52% do quadro de funcionários da Pfizer, enquanto no Brasil a população feminina ocupa 44% das vagas, segundo dados de 2016 do Ministério do Trabalho. E, para garantir que mais mulheres cheguem a altos postos dentro da Pfizer, a companhia tem adotado diferentes medidas nos últimos anos. Entre 2008 e 2016, por exemplo, o número de mulheres ocupando cargos executivos, o que inclui gerentes e diretores, mais que dobrou na organização, passando de 23% para 50%.

“Desde 2009, as políticas internas da Pfizer estimulam fortemente que as mulheres concorram a todos os cargos abertos. Essa iniciativa contribuiu para uma mudança significativa no número de mulheres em cargos de gestão. Além disso, a política de benefícios é outro pilar de apoio importante para o desenvolvimento profissional da mulher na companhia”, afirma Sheila Ceglio, Diretora de RH da Pfizer.

No cenário nacional, o protagonismo feminino também se destaca. Se em 2005 elas assumiam o papel de chefe da família em 30,6% dos lares brasileiros, dez anos depois essa porcentagem havia subido para 40,5%, de acordo com os dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Ainda há um longo caminho pela frente, mas o mercado está em evolução e é preciso que as companhias estejam atentas a esse processo e reforcem a importância da igualdade entre os gêneros”, completa Sheila.

Diversidade & Inclusão

Valorizar a força de trabalho feminina e a igualdade de direitos e oportunidades entre os gêneros é um dos pilares do programa de Diversidade e Inclusão da Pfizer, que foi iniciado globalmente em 2006 e, no Brasil, em 2008. Para estimular a presença feminina em seu quadro de funcionários, a companhia também oferece políticas de trabalho que favoreçam a harmonização da vida profissional com a pessoal. 

Para as mães que precisam viajar e ainda estão amamentando, por exemplo, a Pfizer oferece um suporte de viagem, de modo que a mãe possa levar seu filho e um acompanhante para a viagem, como uma forma de incentivar e apoiar a lactação. Outras iniciativas são o programa de home office uma vez por semana, horário de trabalho flexível e saídas mais cedo (2 horas a menos) às sextas-feiras e nas vésperas dos feriados prolongados.

A companhia também oferece licença-maternidade estendida de seis meses e licença-paternidade de 20 dias, bem como auxílio-creche para filhos de funcionárias com até 6 anos, 11 meses e 30 dias. Em relação à gestão de recursos humanos, anualmente a alta direção da Pfizer promove uma análise dos talentos da empresa, baseada nos preceitos de Diversidade e Inclusão. A partir disso, são implementados programas consistentes de desenvolvimento de talentos, pautados por critérios que promovam o estímulo a equipes mais diversas, formadas por pessoas com diferentes características de sexo, raça, credo e opiniões, com o objetivo de refletir internamente a realidade da sociedade brasileira.

Sobre o Censo Pfizer

O Censo Pfizer é uma ferramenta importante para promover o autoconhecimento da companhia, traçando um perfil preciso dos colaboradores da companhia no Brasil. “A pesquisa, enviada a todos os colegas, proporcionou um retrato fiel de quem somos, tanto do ponto de vista corporativo quanto social”, afirma Cristiane Santos, líder do Comitê de Diversidade & Inclusão (D&I) da Pfizer e gerente sênior de Comunicação Corporativa.

Conduzido por um instituto de pesquisa independente, o Censo Pfizer 2016 foi respondido de forma voluntária e confidencial, o que favorece a credibilidade dos resultados. O questionário, aplicado de forma on-line, contou com a participação de 1.241 colegas de todas as áreas da empresa, o que representa mais de 50% do quadro funcional. “O objetivo era analisar nossa evolução desde o último censo interno, realizado em 2012, bem como traçar um perfil comparativo com a população brasileira, conforme os dados apurados pelo IBGE em 2010”, complementa Cristiane.

Assunto relacionado: 
Year: