Skip directly to content

Quando o pânico vira doença

Considerada a doença dos tempos modernos, a síndrome do pânico já atinge cerca de seis milhões de pessoas só no Brasil. Entre os sintomas mais comuns estão o medo e a ansiedade extremos, acompanhados de taquicardia, mal-estar e outros problemas físicos, que aparecem repentinamente, sem um motivo aparente. Como essas manifestações podem ser confundidas com outras doenças, muitas vezes o transtorno do pânico só é diagnosticado após o paciente passar por consultas com diferentes especialistas e realizar uma bateria de exames. Por isso, a avaliação de um psiquiatra é fundamental para confirmar o diagnóstico da síndrome, assim como o seu tratamento adequado.

 

Quem sofre da síndrome do pânico tem surtos repentinos, conhecidos também como crises de pânico, em qualquer hora e lugar. A pessoa pode sofrer vários ataques durante o dia ou alguns ao longo do ano, e apresenta, simultaneamente, pelo menos quatro dos sintomas abaixo:

 

- Medo extremo de morrer ou enlouquecer;
- Ondas de calor ou frio;
- Formigamento ou dormência nos membros;
- Dor ou desconforto no peito;
- Náusea ou distúrbio gastrointestinal;
- Falta de ar;
- Vertigem;
- Sudoreses;
- Transtorno de personalidade;
- Taquicardia;
- Insônia ou sono excessivo.


Grupos de risco

 

O transtorno do pânico tem como causa o desequilíbrio químico dos neurotransmissores serotonina e noradrenalina, respectivamente, substâncias do cérebro que influenciam no humor e excitação física. O distúrbio pode ser desencadeado por situações estressantes, traumas psicológicos, entre outros fatores, e também está relacionado às características da personalidade. 

 

Segundo a psicóloga Rosana Laiza, presidente da Associação Nacional da Síndrome do Pânico, a doença está muito presente em pessoas perfeccionistas, que cobram muito de si e de quem convive no seu meio, e possuem autocrítica exacerbada, com rigidez no pensamento e tendência ao negativismo. De acordo com a entidade, 70% dos casos começam a se manifestar entre 20 e 35 anos, fase de alta produtividade e crescimento profissional.

 

Como se tratar

 

O tratamento da síndrome do pânico deve combinar sessões de psicoterapia e acompanhamento médico. “Há necessidade de se fazer o tratamento psiquiátrico para equilibrar os neurotransmissores. E a psicoterapia serve para que o paciente, aos poucos, consiga readquirir condições para enfrentar as dificuldades que limitam as atividades normais da vida”, afirma Rosana.

 

O processo de cura é demorado e bastante complexo, de acordo com Sérgio Klepacz, psiquiatra do Hospital Samaritano. “As maiores dificuldades são enfrentadas logo no início, quando o quadro clínico do paciente pode apresentar piora. E o tratamento pode demorar dois meses ou a vida toda, dependendo das peculiaridades de cada indivíduo”, afirma.

 

Fontes:

 

- Rosana Laiza, presidente da Associação Nacional da Síndrome do Pânico

 

www.associacaonsp.com.br/inicio.htm

 

www.sindromedopanico.med.br/sindrome.htm

 

www.samaritano.org.br/pt-br/sua-saude/fale-com-um-especialista/Paginas/default.aspx