Skip directly to content

Depressão

Compreendendo a depressão

• O que causa a depressão? 
• Quem pode sofrer de depressão? 
• Como a depressão pode ser tratada? 

É importante compreender que quem sofre de depressão não precisa se sentir culpado e que não existe razão para ficar envergonhado. Depressão é uma condição médica, como diabetes ou artrite. Não é sinal de fraqueza ou falta de vontade. Você não se sentiria envergonhado se precisasse tratar de diabetes ou artrite. Da mesma forma, não deve sentir-se envergonhado do tratamento de depressão. Tenha a certeza de que você não está sozinho. Depressão é mais comum do que as pessoas imaginam. Ela ocorre em todas as idades, em ambos os sexos e em qualquer fase da vida. Só nos Estados Unidos, cerca de 20 milhões de pessoas sofrem de depressão. Acredita-se que uma em cada cinco mulheres e, um em cada dez homens irá sofrer de depressão em algum momento de sua vida.

Você pode sentir-se triste de vez em quando, e isso é normal

Todos os dias podemos conviver com algum sofrimento ou tristeza que é momentâneo. Isso é normal. Ficar triste porque um ente querido faleceu e passar por um período melancólico pode fazer parte do dia-a-dia de qualquer um. Após um curto período de tempo, volta-se a viver normalmente, não havendo mais prejuízo na qualidade de vida. Quando usamos o termo depressão, estamos nos referindo a um transtorno médico, cujos sintomas e duração são específicos. O tipo de depressão que necessita da atenção dos médicos afeta o humor, os pensamentos, a atividade física e o comportamento, de várias formas. 

Os sintomas da depressão

O termo depressão se refere a uma tristeza persistente ou perda de interesse e/ou prazer na maioria das atividades. 

A depressão é acompanhada por alguns dos seguintes sintomas: 

• Mudanças no apetite e no peso 
• Mudanças no padrão do sono 
• Agitação ou retardo psicomotor que é notado pelas outras pessoas 
• Perda de energia ou sentimento de cansaço durante todo o tempo 
• Dificuldade para se concentrar ou tomar decisões 
• Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva 
• Pensamentos repetitivos de morte ou suicídio 

O que causa a depressão?

A depressão tem muitas causas. Na realidade, é quase sempre causada por uma combinação de fatores. Não existe uma explicação definitiva sobre o motivo de uma pessoa poder vir a sofrer de depressão e outra não. Para cada pessoa há um padrão complexo e individual de fatores que trabalham juntos e que permitem ou evitam que o indivíduo desenvolva a depressão em um determinado momento da vida. 

Algumas vezes é possível identificar o fator desencadeante da depressão. Mas há ocasiões em que a depressão se manifesta sem razão aparente, mesmo para as pessoas cuja vida parece estar indo muito bem. 

Algumas razões para que isso ocorra são: 

Eventos externos da solidão que resulta de dificuldade de relacionamento, aposentadoria, problemas financeiros e legais podem desencadear depressão. A tristeza por causa da morte de um ente querido pode ou não evoluir para depressão. 

Pesquisas têm demonstrado que as características individuais são importantes. É mais provável que se desenvolva depressão se o pai ou a mãe também viveu essa condição. Entretanto, nem todos os que têm história de depressão na família desenvolverão esse transtorno mental. 

Fatores fisiológicos e bioquímicos da depressão parecem ocorrer em conseqüência de um desequilíbrio das substâncias químicas do cérebro, os neurotransmissores. 

Outras condições médicas podem causar sintomas que são muito similares aos da depressão, como os acidentes vasculares cerebrais, as doenças endocrinológicas e alguns medicamentos, por exemplo. 

Qual o tratamento para a depressão?

As formas mais comuns de tratamento são os medicamentos antidepressivos. Os especialistas parecem concordar que a depressão deve ser tratada quando há interferência prolongada na atividade social e no trabalho. A maioria também acredita que o tratamento deve ser considerado quando o sofrimento pessoal for intenso, mesmo se o paciente estiver, pelo menos aparentemente, vivendo plenamente suas atividades.

Referências:

1. Kaplan & Sadock's Pocket Handbook of Clinical Psychiatry. Sadock and Kaplan, eds. 2001. Editora Lippincott Williams & Wilkins. 

2. Essential Psychopharmacology (Essential Psychopharmacology Series). Stephen M. Stahl et al. 2004. Cambridge University Press. 

3. Ebmeier KP et al. Recent developments and current controversies in depression. Lancet. 14;367(9505):153-67. 2006 

4. Rupke SJ et al. Cognitive therapy for depression. Am Fam Physician. 1;73(1):83-6. 2006 

5. Brookman RR. Disorders of mood and anxiety in adolescents. Adolesc Med Clin. 17(1):79-95. 2006 

6. Lader M. Management of panic disorder. Expert Rev Neurother. 5(2):259-66. 2005 

7. Merlo LJ et al. Obsessive-compulsive disorder: tools for recognizing its many expressions. J Fam Pract. 55(3):217-22. 2006

 

As informações sobre saúde contidas neste site são fornecidas somente para fins educativos e não pretendem substituir, de forma alguma, as discussões estabelecidas entre médicos e pacientes.

Em caso de dúvidas, favor contatar o Fale Pfizer através do telefone 0800-16-7575 (de segunda a sexta-feira das 8h00 às 20h00).

"NÃO TOME NENHUM MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE".

Todas as informações contidas neste site são destinadas ao público brasileiro.