Skip directly to content

Câncer de pulmão

O Pulmão

Os pulmões são a parte mais importante do sistema respiratório. São órgãos de cor vermelho-acinzentada e de consistência esponjosa. 

Eles ocupam a maior parte da cavidade torácica e são separados pelo mediastino, área central do tórax, que abriga o coração, traquéia, esôfago e gânglios linfáticos. 

O pulmão direito é dividido em três partes chamadas lobos e é um pouco maior do que o pulmão esquerdo, que é dividido em dois lobos. A função os pulmões é fazer a troca do dióxido de carbono por oxigênio. O ar entra no organismo pelo nariz e boca, segue pela garganta, laringe e chega aos pulmões pelos brônquios. 

Os brônquios se dividem em vários pequenos canais chamados bronquíolos que terminam em pequenos sacos denominados alvéolos.

O que é câncer de pulmão?  


Como todos os outros tecidos e órgãos do corpo, o pulmão é composto por células. Normalmente, estas células se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada. 

Quando ocorre uma disfunção celular que altera esse processo de divisão e reprodução, é produzido excesso de tecido que dá origem ao tumor, que pode ser benigno ou maligno. 

O tumor maligno é câncer e seu crescimento não só comprime, mas também invade e destrói tecidos sadios à sua volta. Além disso, as células tumorais podem desprender-se do tumor de origem e espalhar-se através da corrente sangüínea ou dos vasos linfáticos, para outras partes do corpo, dando origem a novos tumores (metástases). 

Apesar de outros órgãos terem sido afetados, as células cancerosas desses novos tumores têm as mesmas características das células do câncer de pulmão. Esses novos tumores são chamados de metástases do câncer de pulmão. O tratamento das mestástases leva em conta a localização e o tipo de câncer que as originou, além de outros fatores que serão considerados pelo médico. 

O câncer de pulmão, geralmente, é classificado pela sua aparência histológica (forma que apresenta, vista através do microscópio) em dois tipos:

• Câncer de pulmão de células pequenas.
• Câncer de pulmão de células não pequenas.

Os dois tipos podem crescer e se espalhar de forma diferente e, portanto, são tratados de maneiras diferentes. 

As células pequenas de câncer pulmonar crescem rapidamente e costumam migrar para órgãos distantes do pulmão, mesmo quando os gânglios linfáticos peitorais ainda não estão afetados. 
As células não pequenas de câncer pulmonar crescem relativamente devagar e se infiltram nos nódulos linfáticos peitorais antes de se alastrarem para locais mais distantes do corpo.

Causas  

 

O tabaco é apontado como o principal causador de câncer de pulmão, que incide em homens e mulheres, geralmente, a partir dos 45 anos de idade. 

Dependendo do tipo de tumor de pulmão, mais de 96% dos pacientes são fumantes e, provavelmente, os outros 4% passaram muito tempo expostos à fumaça produzida por fumantes (fumantes passivos). 

Além do tabaco, há outros fatores que podem ser considerados de risco, tais como: 

Doenças pulmonares: pessoas que contraíram doenças como a tuberculose, por exemplo, têm maiores chances de desenvolver câncer de pulmão. 

Poluição: diversas pesquisas apontam para uma relação direta entre a exposição ao ar poluído e a incidência de câncer de pulmão. Entretanto, tais pesquisas ainda não são conclusivas. 

Contaminação por radônio: gás radioativo produzido pelo solo, encontrado em escavações de grandes profundidades. Este gás costuma ser inalado, em quantidade, por pessoas que trabalham em minas. 

Asbestos: fibras encontradas em determinados minerais, largamente utilizadas na indústria pesada, fragmentam-se em partículas que flutuam no ar e contaminam o ambiente. 

Ainda não há como determinar exatamente quais as causas do câncer de pulmão. O que já se sabe é que o melhor que você pode fazer para preveni-lo é não fumar.

Quais os sintomas mais comuns do câncer de pulmão?  

 

O câncer de pulmão pode causar uma série de sintomas como a tosse, que é o mais comum e ocorre quando o tumor bloqueia a passagem de ar. Outro sintoma freqüente é dor persistente de tórax, acompanhada ou não de tosse. Podem ocorrer, ainda, falta de ar, sangue no catarro, rouquidão e inchaço do rosto e pescoço. Como todos os tipos de câncer, o do pulmão pode provocar cansaço, perda de apetite e de peso.

Como é feito o diagnóstico do câncer de pulmão?  

 

Para determinar a razão de seus sintomas, seu médico fará um exame clínico e escutará suas queixas clínicas. 

Provavelmente pedirá que faça alguns exames laboratoriais e radiografias. 

Caso o médico suspeite de qualquer irregularidade, poderá solicitar exames adicionais como tomografia, cintilografia óssea, broncoscopia e outros que julgar necessário.
 

Quais os métodos utilizados no combate ao câncer de pulmão?  

 

O tratamento do câncer de pulmão depende do histórico do paciente, de sua idade, de seu estado geral, do estágio e tipo de tumor. 

A cirurgia, radioterapia e quimioterapia são os métodos básicos para tratar câncer de pulmão. 

Estes tratamentos podem ser utilizados separadamente ou, muitas vezes, combinados entre si.

Tratamento de câncer de células pequenas  

 

O câncer de pulmão de células pequenas espalha-se rapidamente para partes distantes do organismo. 

O tratamento para este tipo de câncer, geralmente, é de quimioterapia e radioterapia, aos quais esse tumor é muito sensível. 

Tratamento de câncer de células não pequenas  

 

Os pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas podem ser divididos em três grupos: 

1 - Esse grupo inclui pacientes cujo tumor está restrito apenas ao pulmão e sua remoção pode ser feita por meio de cirurgia.

• Segmentectomia é o nome dado à cirurgia que remove apenas uma pequena parte do pulmão.
• Lobectomia é o nome dado à cirurgia que remove um lobo inteiro.
• Pneumectomia é o nome que dado à remoção cirúrgica de um pulmão inteiro.

Os pacientes desse grupo, que não podem ser submetidos à cirurgia por motivos clínicos são, geralmente, tratados por radioterapia, acompanhada ou não de quimioterapia. 

2 - Fazem parte deste grupo de pacientes, aqueles cujo tumor se espalhou para tecidos próximos ou comprometeu os gânglios linfáticos. 

O tratamento para este grupo é radioterapia, combinada com outras formas de tratamento, principalmente cirurgia. 

3 - Este grupo é de pacientes cujo câncer já se espalhou para partes distantes do corpo. 

O tratamento para estes casos é radioterapia e quimioterapia, com o objetivo de diminuir o tumor e aliviar sintomas. 

Quais os efeitos colaterais que podem ocorrer durante o tratamento do câncer de pulmão?  

 

As técnicas utilizadas no combate ao câncer de pulmão podem provocar efeitos colaterais em algumas, mas não em todas as pessoas porque sua ocorrência varia em função das características individuais de cada paciente. Algumas apresentam pouco ou nenhum efeito colateral. 

Outras, no entanto, podem apresentá-los mais acentuados. A ocorrência desses efeitos colaterais pode ser minimizada ou mesmo evitada através de cuidados indicados pelo médico. É importante salientar, ainda, que muitos efeitos colaterais, embora sejam desagradáveis, são temporários e tendem a desaparecer após o término do tratamento. 

Radioterapia - durante a terapia por radiação, os pacientes costumam se sentir cansados à medida que o tratamento prossegue. Como são comuns a vermelhidão e a secura da pele na região tratada, é recomendado que você consulte seu médico para que lhe indique o que usar para cuidar dessa área. 

Quimioterapia - cada droga quimioterápica pode provocar reações diferentes em pessoas diferentes e, ainda, essas reações também podem variar de intensidade de acordo com cada tratamento. É importante lembrar que os possíveis efeitos colaterais são temporários e desaparecerão após o tratamento. 

Os efeitos colaterais mais comuns são: fraqueza, náuseas e vômitos, cefaléia, infecções, queda de cabelo, secura vaginal, menstruação irregular. 

Algumas observações: Após um tratamento contra câncer, você ficará mais atento ao comportamento e às reações seu corpo, podendo notar até mesmo pequenas mudanças em seu estado geral, a cada dia. Isso pode ser muito útil, caso perceba o aparecimento de algum sintoma diferente, como: 

• Uma dor persistente especialmente se for no mesmo lugar;
• Inchaços, nódulos ou manchas.
• Náuseas, vômitos, diarréias ou perda de apetite.
• Perda inexplicada de peso.
• Febre ou tosse persistentes.
• Irritações de pele ou sangramentos.

Referência:   

 

Associação Brasileira do Câncer (www.abcancer.org.br )
As informações sobre saúde contidas neste site são fornecidas somente para fins educativos e não pretendem substituir, de forma alguma, as discussões estabelecidas entre médicos e pacientes. O diagnóstico de qualquer doença só pode ser realizado por um profissional de saúde. Somente o profissional de saúde pode ajudá-lo a decidir pela melhor opção de tratamento.

Em caso de dúvidas, favor contatar o Fale Pfizer através do telefone 0800-16-7575 (de segunda a sexta-feira das 8h00 às 20h00). 

"NÃO TOME NENHUM MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE". 

Todas as informações contidas neste site são destinadas ao público brasileiro.