Skip directly to content

Transtorno de estresse pós-traumático (TSPT)

O transtorno do estresse pós-traumático (TSPT) compreende um conjunto de sintomas físicos e emocionais ligados à ansiedade e que ocorre após um evento psicologicamente estressante (eventos traumáticos). Atualmente é o quinto transtorno mental mais comum.

Os eventos traumáticos que podem desencadear o "TSPT" podem ocorrer em qualquer momento da vida de uma pessoa. Acredita-se que pelo menos 60% dos homens e 50% das mulheres experimentam pelo menos um evento traumático durante a vida. Agressão (física ou sexual), assalto, seqüestro, ataque terrorista, tortura, encarceramento, acidentes automobilísticos, diagnóstico de doença que ameace a vida, combate militar, são exemplos de eventos traumáticos que podem levar ao "TSPT". Eventos que ocorreram com outras pessoas e dos quais se têm conhecimento, como presenciar agressão física ou acidente de algum parente, ser informado de que o filho apresenta uma doença séria que ameace a vida, também podem levar ao surgimento do "TSPT".

Embora seja natural que os indivíduos submetidos a um destes eventos estressantes reajam emocionalmente com ansiedade, apreensão ou depressão, a persistência destes e de outras alterações emocionais podem confirmar um diagnóstico de "TSPT". As manifestações do "TSPT" incluem recordações aflitivas e recorrentes do evento traumático ao qual o paciente foi submetido, sonhos repetitivos com o evento, sensação de que o evento está ocorrendo novamente na forma de alucinações ou "flashbacks". Isto pode acarretar alterações fisiológicas como alterações gastrintestinais, sudorese e tremores quando em contato ou por ocasião da lembrança de algo que simboliza o evento traumático.

Em crianças o "TSPT" pode manifestar-se por meio de agitação, comportamento desorganizado, sonhos amedrontadores e "teatralização" do trauma.

Apesar do "TSPT" poder ocorrer em qualquer pessoa e em qualquer fase da vida, as mulheres têm uma probabilidade duas vezes maior que os homens de desenvolver o "TSPT". Além disso, elas estão sujeitas a experimentar os eventos traumáticos desencadeadores com maior freqüência.

Tratamento

O "TSPT" é uma doença complexa, e o seu tratamento inclui abordagem psicoterapêutica e tratamento medicamentoso.

Vários especialistas acreditam que algumas formas de psicoterapia podem ser úteis no tratamento do "TSPT". A intervenção da psicoterapia logo após o evento traumático pode reduzir o sofrimento imediato do paciente e pode impedir respostas tardias ou crônicas. Basicamente, é dada ao paciente a oportunidade de compartilhar sua experiência. Embora o ato de recordar um evento traumático possa parecer intrusivo e desagradável, na verdade ele serve como um mecanismo para enfrentar e superar o evento. A exposição repetida às memórias traumáticas pode diluir a natureza do choque decorrente das lembranças daquele evento. 

Se você deseja mais informações sobre TSPT, visite o site do programa PROVA (Programa de Atendimento a Vítimas de Violência e Estresse) do departamento de psiquiatria da UNIFESP no endereço: www.unifesp.br/dpsiq/prove/pagina.php?q=prove.

Referências

Kaplan & sadock's Pocket Handbook of Clinical Psychiatry. Sadock and Kaplan, eds. 2001. Editora Lippincott Williams & Wilkins.

 

Essential Psychopharmacology (essential psychopharmacology series). Stephen M. Stahl et al. 2004. Cambdrge University Press.

 

Ebmeier KP et al. Recent developments and current controversies in depression. Lancet. 14;367(9505):153-67. 2006

 

Rupke SJ et al. Cognitive therapy for depression. Am Fam Physician. 1;73(1):83-6. 2006

 

Brookman RR. Disorders of mood and anxiety in adolescents. Adolesc Med Clin. 17(1):79-95. 2006

 

Lader M. Management of panic disorder. Expert Rev Neurother. 5(2):259-66. 2005

 

Merlo LJ et al. Obsessive-compulsive disorder: tools for recognizing its many expressions. J Fam Pract. 55(3):217-22. 2006

 


As informações sobre saúde contidas neste site são fornecidas somente para fins educativos e não pretendem substituir, de forma alguma, as discussões estabelecidas entre médicos e pacientes.O diagnóstico de qualquer doença só pode ser realizado por um profissional de saúde. Somente o profissional de saúde pode ajudá-lo a decidir pela melhor opção de tratamento.

Em caso de dúvidas, favor contatar o Fale Pfizer através do telefone 0800-16-7575 (de segunda a sexta-feira das 8h00 às 20h00).

"Não tome nenhum medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde".

Todas as informações contidas neste site são destinadas ao público brasileiro.