Skip directly to content

Saiba quando consultar um ginecologista obstetra

Muitas dúvidas surgem quando o assunto é saúde da mulher e qual é o profissional adequado para os seus cuidados. Existem dois especialistas: o ginecologista e o ginecologista obstetra.

O ginecologista é responsável por cuidar da saúde da mulher. Segundo Sergio dos Passos Ramos, ginecologista da Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo, a mulher deve procurar um ginecologista assim que inicia uma vida sexualmente ativa.

Segundo Ramos, no Brasil, a procura por um ginecologista infelizmente é tardia e isso é algo que pode ser prejudicial à saúde da mulher.

O ginecologista obstetra, por sua vez, é o médico que cuida da mulher quando ela pretende ter um filho ou quando já está grávida.

A partir do momento em que a mulher souber que está grávida, é importante seguir as recomendações do seu médico em relação aos cuidados com a alimentação, as mudanças no corpo e uma série de outros fatores.

Sergio dos Passos Ramos alerta um ponto importante que pode acontecer na gravidez: o sangramento. Se a mulher sangrar durante esse período, deve procurar um auxílio médico, pois algo está errado. A principal causa do sangramento é ameaça de aborto.

Outro fator que merece atenção é o inchaço, pois nem sempre é algo natural durante a gravidez. Tem de ser investigado. Pode ser um indício de pré-eclâmpsia.

A pré-eclâmpsia é uma doença grave que ocorre geralmente no final da gestação. Essa doença, específica do período gestacional, cursa com pressão alta, perda de proteínas, inchaço e, pode até a levar a perda do feto. Assim como a hemorragia, a pré-eclâmpsia é uma das principais causas de morte materna no Brasil.

Na hora em que o bebê está próximo de nascer, muitas mulheres sentem dores fortes, mas não sabem quando estão entrando em trabalho de parto. Ramos esclarece dizendo que o trabalho de parto se caracteriza por contrações rítmicas e duradouras, que vão se tornando cada vez mais fortes e frequentes, podendo ou não ter ocorrido a a ruptura da bolsa de água. As contrações são sensações dolorosas, no abdômen, que vão e voltam.

Para saber qual é o melhor tipo de parto é importante analisar se a mulher tem hipertensão, problemas ósseos na pélvis ou nos rins. Se esse for o caso, é melhor fazer cesárea. No entanto, o mais indicado para a saúde da mulher é o parto normal. O próprio nome já diz: se é um parto normal, o bebê nasce sem nenhuma intervenção. Além disso, a recuperação é mais rápida e a mãe pode aproveitar de forma saudável essa nova etapa da vida com seu filho.


Referências:

Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ME/UFRJ)
http://www.me.ufrj.br/portal/images/stories/pdfs/obstetricia/pre_eclampsia_eclampsia.pdf
Visitado em: 07/10/2014

Portal Gineco:
http://www.gineco.com.br/saude-feminina/gravidez/parto/
Visitado em: 07/10/2014

Dados do especialista:
Dr. Sérgio dos Passos Ramos (CRM: 17.178) é formado em Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e é especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira e Federação Brasileira. Atua na área desde 1974.