Skip directly to content

Ação educativa sobre câncer de pulmão movimenta terminais de ônibus e Metrô em São Paulo

Idealizada pela Pfizer, com apoio do Instituto Lado a Lado Pela Vida, a iniciativa contará com uma tela móvel itinerante, na qual a população poderá testar seus conhecimentos sobre a doença

Pessoas que nunca fumaram podem desenvolver câncer de pulmão? Quem tem casos da doença na família corre mais risco de apresentar o problema? Esclarecer as principais dúvidas sobre a enfermidade, que está entre os tumores mais comuns no Brasil e em todo o mundo, é uma forma de estimular a discussão sobre o tema e incentivar o diagnóstico precoce, aumentando as possibilidades de tratamento. Por isso, com apoio do Instituto Lado a Lado Pela Vida, a Pfizer lança a ação educativa SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE PULMÃO, que vai propor uma atividade interativa com a população em alguns dos terminais de transporte mais movimentados da cidade.

Quem passar pela Estação Paraíso do Metrô no dia 31 de maio, das 10h às16h, poderá testar seus conhecimentos sobre câncer de pulmão em um painel móvel que circulará pelo terminal. Batizado de touchman, o dispositivo é composto por um quiz instalado em uma tela touch screen acoplada a um promotor, que vai caminhar pelo local e interagir com o público. No dia seguinte, a ação será realizada no Terminal Rodoviário Tietê. Todos os participantes que responderem às dez questões do teste receberão um folheto com esclarecimentos sobre os principais mitos associados à doença e um caça-palavras relacionado à enfermidade.

Apesar de o prognóstico para o câncer de pulmão não ser otimista, identificar a doença em seu estágio inicial pode aumentar significativamente as chances de sucesso do tratamento. Atualmente, porém, cerca de metade dos pacientes descobre o tumor já em processo de metástase1, ou seja, quando a doença se espalhou para outras partes do corpo. “O câncer de pulmão costuma ser associado a uma mortalidade elevada, mas o diagnóstico precoce pode fazer a diferença. Por isso, é fundamental incentivar o diálogo sobre a doença, contribuir para que as pessoas reconheçam os fatores de risco e busquem acompanhamento médico”, diz o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia.

Embora o tabagismo seja a principal causa do câncer de pulmão, há vários outros fatores relacionados à doença, como ressalta o oncologista Marcos André, do Conselho Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida. Alterações genéticas, poluição do ar, infecções pulmonares de repetição, doença pulmonar obstrutiva crônica e casos da doença na família são alguns exemplos. “Câncer de pulmão não tem cara nem idade. Ele pode acometer mesmo aqueles que nunca fumaram”, reforça o oncologista.

A doença

O câncer de pulmão pode se apresentar, basicamente, de duas formas principais, cada uma com características próprias de crescimento e de disseminação, assim como de tratamento: tumores de células pequenas (CPPC) e de não pequenas células (CPNPC) – esta última categoria representa de 85% a 90% do total de casos de tumores pulmonares.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer de pulmão é o tipo de neoplasia que mais provoca mortes em todo o mundo. No Brasil, todos os anos, aproximadamente 27 mil pessoas são diagnosticadas com esse tipo de câncer e outras 16 mil morrem por causa do tumor, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Mas, com o avanço das pesquisas na área de oncologia, a exemplo da evolução dos tratamentos com foco na medicina personalizada, o combate à doença está mudando.

Focados em grupos mais restritos de pacientes, com características genéticas semelhantes, os novos tratamentos são direcionados a alvos muito específicos, melhorando as chances de respostas efetivas aos medicamentos. Nesse contexto, a identificação de biomarcadores preditivos, como a fusão EML4-ALK, é um elemento importante dentro do campo da medicina personalizada.

A alteração genética EML4-ALK, que acomete de 3% a 5% dos pacientes com CPNPC, representa um fator-chave no desenvolvimento do tumor, embora suas causas ainda não sejam totalmente conhecidas. Sabe-se, porém, que a fusão EML4-ALK é mais frequente em pacientes jovens e asiáticos não fumantes, ao passo que os outros tipos de câncer de pulmão são comumente associados ao tabagismo.

Campanha “Saúde Sem Mistério”
Dias: 31 de maio e 1º de junho
Horário: 10 às 16hs
Locais: Estação Paraíso e Rodoviária do Tietê - São Paulo - SP

 

Referência:
 1. Shepherd FA, Bunn PA, Paz-Ares L. Lung cancer in 2013: state of the art therapy for metastatic disease. Am Soc Clin Oncol Educ Book

Assunto relacionado: 
Year: