Skip directly to content

Minas Gerais recebe ação nacional de conscientização do câncer de mama

Passageiros da CBTU Belo Horizonte participarão de um quiz interativo sobre os principais mitos relacionados ao tumor

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres mineiras e a incidência da doença é ainda maior em Belo Horizonte, na comparação com as taxas relacionadas ao Estado todo, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Por isso, neste Outubro Rosa, a cidade foi uma das capitais brasileiras selecionadas para receber a campanha SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA, que já passou por São Paulo e também será promovida em Brasília (DF), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ).

Ao longo do mês, a iniciativa vai mobilizar estações de metrô, terminais de trens, rodoviárias e parques de diferentes regiões do País com o objetivo de levar informação de qualidade sobre a doença à população. Promovida pelo Instituto Oncoguia, uma das principais ONGs de apoio aos pacientes com câncer do País, e pela Pfizer, a campanha desembarca em Belo Horizonte nos próximos dias 9 e 10 de outubro. Em Minas Gerais, a ação conta com o apoio exclusivo da CBTU Belo Horizonte.
  
A ideia é que os passageiros do metrô possam testar seus conhecimentos sobre a doença por meio de um quiz interativo composto por dez questões relacionadas ao câncer de mama. O quiz estará em uma tela touch acoplada a uma promotora, ou touchwoman, que vai caminhar pelas estações para interagir com o público, convidando a população a saber mais sobre o tumor. Participam da ação as estações Central, no dia 9, e Vilarinho, no dia 10. Em ambos os terminais o dispositivo vai circular das 10h às 16h.

Todos os participantes da iniciativa receberão um folheto educativo com explicações sobre os 10 principais mitos associados à doença, que representam os tópicos abordados pelas perguntas do quiz. São questões simples, totalmente relacionadas ao dia a dia das pessoas, como a interferência do sedentarismo, da obesidade e da ingestão de bebidas alcoólicas sobre o risco de desenvolver o câncer de mama, por exemplo.

Para os passageiros que conhecem alguém vivendo com câncer de mama também será distribuído um material para auxiliar a paciente durante o tratamento e nas consultas médicas. Trata-se de um kit composto por três publicações especialmente voltadas para essas mulheres: o guia Meu médico e Eu, o folheto Tópicos da conversa com meu médico e o manual Eu e o Câncer de Mama Metastático. O desenvolvimento do kit foi realizado juntamente com a União Latino-Americana de Combate ao Câncer da Mulher (Ulaccam).

Mais informação

Em São Paulo, as estações de metrô receberam já em 2016 o quiz móvel sobre o câncer de mama promovido pela parceria entre Pfizer e Oncoguia, também durante o Outubro Rosa. Na ocasião, 270 entrevistados responderam às questões e os resultados desses testes reforçaram a necessidade de continuar a levar mais informações sobre a doença para a população. Apenas 4% das paulistanas que participaram do quiz no ano passado reconheceram, por exemplo, que a mamografia é um dos principais exames para identificar precocemente o câncer de mama.

Os resultados de 2016 também apontaram um amplo desconhecimento da população em relação aos fatores de risco para o câncer de mama e a respeito das perspectivas para as pacientes que vivem com a doença em fase metastática. “Muito se fala do câncer de mama, mas esses resultados mostraram que ainda existem várias dúvidas sobre a doença. Ao verificarmos que essas lacunas existem, identificamos também uma janela de oportunidade de expandir a campanha e levar informações de qualidade para a população de várias partes do País”, afirma o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia.

Campanha global

A ação educativa SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA faz parte da campanha global Cada Minuto Conta, uma iniciativa desenvolvida pela Pfizer em parceria com a União Latino-americana Contra o Câncer da Mulher (Ulaccam), com o objetivo de aumentar o conhecimento público sobre a doença, esclarecer mitos e expandir as discussões sobre o tema com toda a sociedade. 

“Durante o Outubro Rosa, todas as atenções se voltam para o câncer de mama e o momento é ideal para aprofundar as discussões sobre a doença no Brasil. Mas, embora muito se fale de prevenção, é preciso também fomentar um espaço em que as pacientes com a doença avançada ou metastática possam se sentir igualmente acolhidas”, afirma Correia.

O diagnóstico precoce é importante para reduzir o risco de metástase em mulheres com câncer de mama, mas até 30% das pacientes evoluem com progressão da doença e aparecimento de metástases mesmo que a enfermidade seja detectada precocemente1.

“Se no passado as perspectivas eram limitadas para a paciente metastática, hoje já existem medicamentos que podem controlar a doença por vários anos, mesmo quando ela é diagnosticada em estágio avançado. Os eventos adversos também são mais brandos, preservando a qualidade de vida”, complementa Correia.

A doença: Brasil e Minas Gerais

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres, tanto no Brasil como no mundo, respondendo por 22% dos novos casos de câncer no País a cada ano, de acordo com o INCA. Em Minas Gerais, cerca de 5.160 mulheres serão diagnosticadas com câncer de mama até o fim deste ano, sendo 1.030 apenas na capital Belo Horizonte.

Os dados do INCA apontam que a incidência estimada de câncer de mama em Belo Horizonte é de 75,6 casos a cada 100 mil mulheres. O número é superior à taxa bruta de incidência da doença no País, que é de 56,2 pacientes a cada 100 mil mulheres. Quando se considera todo o Estado de Minas Gerais, contudo, esse valor cai para cerca de 48 diagnósticos a cada 100 mil mulheres.

Minas Gerais concentra cerca de 9% do total de casos de câncer de mama registrados no País. Dados do Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde (SAI-SUS) revelam que, apenas em 2016, foram realizadas mais de 347.330 mil mamografias de rastreamento em mulheres na faixa etária que vai dos 50 a 69 anos nas unidades de saúde pública de Minas Gerais. De janeiro a julho deste ano, foram 187.893.

O rastreamento é uma medida essencial para a detecção precoce do câncer de mama. Mas, em países em desenvolvimento como o Brasil, um maior número de pacientes recebe o diagnóstico da doença em uma fase já avançada. Os dados mais atualizados do INCA sobre esse problema são de 2013, quando 14.388 pessoas morreram no País por causa da doença. Na América Latina, a cada ano, são diagnosticados 150 mil novos casos de câncer de mama metastático, dos quais mais de 40 mil evoluem para o óbito2

Referências:

1. O’Shaughnessy J. Extending survival with chemotherapy in metastatic breast cancer. The Oncologist.  2005;10:20-29. Accessed September 21, 2015
2. Ferlay J, et al. GLOBOCAN 2012 v1.0 , Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC Cancerbase No. 11 (Internet). 2013. Lyon, France, International Agency for Reseach on Cancer. http://globocan.iarc.f

Assunto relacionado: 
Year: