Skip directly to content

Pneumologia

Doenças crônicas como diabete e asma multiplicam os riscos de pneumonia

Com sistema imunológico fragilizado, esses pacientes são mais suscetíveis à infecção, que está entre as principais causas de internação e morte no País

Condições clínicas comuns, como diabete, tabagismo, asma e doenças cardíacas, multiplicam os riscos de desenvolver pneumonia pneumocócica, uma das principais causas de internação e mortes em todo o mundo, inclusive no Brasil. “Esses pacientes apresentam o sistema imunológico enfraquecido e por isso são mais suscetíveis à doença.

Contaminação por H1N1 favorece o aparecimento de infecções secundárias

Gripes facilitam a locomoção de bactérias do nariz pelo corpo, aumentando o risco de quadros potencialmente graves, como a pneumonia

Os quadros mais severos de gripe, como muitos dos casos associados ao vírus H1N1, podem ter outras consequências preocupantes para os pacientes. Esses agentes podem favorecer o desenvolvimento de outras doenças, algumas delas de grande impacto e morbidade, como é o caso da pneumonia. Crianças menores de dois anos, idosos, grávidas e portadores de doenças crônicas, como os obesos e os diabéticos, em geral são os mais afetados pelas infecções secundárias.

Sociedade médica lança campanha de prevenção contra pneumonia em Curitiba

A ação, que conta com apoio da Pfizer, pretende sensibilizar a população adulta a respeito da importância da vacinação

Segunda infecção respiratória mais frequente no País, a pneumonia representa uma grande ameaça à saúde da população. Mas, enquanto a vacinação infantil já está bem estabelecida no Brasil, ainda é preciso sensibilizar a sociedade para a importância da prevenção entre os adultos.  Isso porque o enfraquecimento do sistema imunológico, fenômeno associado ao envelhecimento, pode tornar o paciente ainda mais suscetível à doença.