Skip directly to content

Consumidores, Clientes e Fornecedores

Competir no mercado de forma transparente, de acordo com a lei e principalmente com ética é uma premissa para a Pfizer, que monitora todas as relações de negócio com seus consumidores, clientes e fornecedores, profissionais de saúde ou não.

Interagir de maneira ética faz com que a empresa garanta o desempenho dos negócios com base na qualidade e no monitoramento contínuo da segurança dos seus produtos. E para assegurar o cumprimento dos compromissos e valores da empresa, cinco pontos são fundamentais e eles estendem-se a todos os públicos.

• respeitar a legislação vigente e cumprir as obrigações previstas em contrato;

• não utilizar trabalho ilegal ou análogo ao escravo. A mão de obra infantil deve ser descartada, mas é permitida na condição de aprendiz, conforme a lei, seja direta ou indiretamente;

• não empregar menor até 18 anos, inclusive menor aprendiz, em locais prejudiciais à sua formação ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social, bem como em locais e serviços perigosos ou insalubres, em horários que não permitam a frequência à escola e, ainda, em horário noturno;

• não utilizar práticas de discriminação ao acesso na relação de emprego por motivos de: sexo, origem, raça, cor condição física, religião, estado civil, situação familiar ou estado gravídico; e

• comprometer-se a proteger e preservar o meio ambiente, respeitando a política nacional do meio ambiente e dos crimes ambientais.

Esses dispositivos buscam assegurar que os fornecedores da Pfizer disputem o mercado dentro da lei e de acordo com a ética. E como a ação não se restringe a terceiros, esses compromissos determinam a relação de colaboradores incorporados à companhia com prestadores terceirizados, a fim de evitar qualquer conflito de interesses.

Além de evitar conflitos éticos com consumidores, clientes e fornecedores, a Pfizer se esforça em âmbito global para articular e auxiliar os clientes na universalização do acesso a medicamentos nas populações carentes. Isso é feito tanto por meio de modelos de negócios comercialmente viáveis para um consumo de medicamentos de longo prazo, quanto pela parceria com clientes institucionais que distribuem medicamentos, como contraceptivos e vacinas nas comunidades.