Skip directly to content

Saúde da mulher

Dismenorréia ou cólica menstrual

O termo dismenorréia é derivado do grego e significa fluxo menstrual difícil. A dismenorréia é caracterizada por dor tipo cólica que se manifesta antes e/ou durante o período menstrual. Essa cólica habitualmente se inicia no abdômen inferior e às vezes também é descrita como sensação de peso no baixo ventre. A dor geralmente é mais intensa no primeiro dia da menstruação e, em mais de 50% dos casos, é acompanhada por outros sintomas como náuseas, vômitos, palidez, dor de cabeça, diarréia, tontura e desmaio.

Acredita-se que cerca de 50% a 90% das mulheres apresentem cólica menstrual em algum momento de suas vidas, sendo que 10% das pacientes tornam-se incapazes de desenvolver suas atividades habituais em decorrência da dor. A cólica menstrual intensa representa uma das mais importantes causas de ausência no trabalho e na escola.

A dismenorréia primária se caracteriza por não apresentar causa orgânica que a justifique e é o tipo mais comumente diagnosticado entre as adolescentes.  A elevação dos níveis de prostaglandinas parece ser o principal fator no desencadeamento da dismenorréia primária por provocar o aumento das contrações uterinas a dismenorréia secundária corresponde a apenas 5% dos casos e há uma causa orgânica que explique sua origem (inflamações pélvicas, varizes pélvicas, tumores pélvicos, pólipos, miomas, uso de diu e  cistos ovarianos entre outros). 

Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) constituem a primeira escolha no tratamento da dismenorréia primária e seu mecanismo de ação envolve a redução da síntese de prostaglandinas. A eficácia do tratamento com AINEs costuma ser superior a 80% . Os contraceptivos hormonais orais diminuem a dismenorréia por bloquearem a ovulação e também reduzirem os níveis de prostaglandinas. Algumas das vantagens dos AINEs sobre anticoncepcionais orais são a sua administração de apenas alguns dias durante o mês e sua ação, também, nos demais sintomas associados à dismenorréia, como as náuseas, diarréia, palidez e cefaléia. 

No passado, os fatores psicológicos eram considerados importantes na causa da dismenorréia, relacionando as cólicas menstruais à rejeição do papel feminino. Entretanto, estudos recentes não têm encontrado significativas relações entre fatores psicológicos e dismenorréia.

Há descrições de que atividades esportivas possam apresentar redução da intensidade da dismenorréia. Em trabalho realizado com 764 adolescentes por Izzo e Labriola (1991) foi verificado que a dismenorréia se mostrou menos intensa naquelas adolescentes com maior prática esportiva. Em pesquisa realizada por Scmidt e Herter no sul do Brasil, no entanto, este fator não foi relevante.

Referências:

1. SCHMIDT, Ellen e HERTER, Liliane Diefenthaeler. Dismenorréia em adolescentes escolares. Adolesc. Latinoam., ago. 2002, vol.3, no.1, p.0-0. ISSN 1414-7130.

2. Bastos AC. Noções de Ginecologia. 10ª.ed.São Paulo, Atheneu, 102-108, 1998.

 

3. Bortoleto CCR. Dismenorréia primária, etiopatogenia e terapêutica. Femina 23 (5): 439-443, 1995.

 

4. Davis AR, Westhoff CL. Primary Dysmenorrhea in adolescent girls and treatment with oral contraceptives. J Pediatric Adol Ginecol 14 (1): 3-8, 2001.

 

5. Fischer M. Premenstrual symptoms in adolescents. J.Adol Health Care 10: 369-375, 1989.

 

6. Fonseca AM. Dismenorréia. In: Halbe, H.W., editor. Tratado de Ginecologia. 3ª. ed., São Paulo, Roca, 748-754, 2000.

 

7. Freitas F, Menke CH, Rivoire W, Passos EP. Rotinas em ginecologia. 3ª.ed., Porto Alegre, Artes Médicas, 51-52, 1997.

 

8. Hillen TI. Primary dysmenorrhea. in Young Western Australian women: prevalence, impact, and knowledge of treatment. J Adol Health 25 (1), 40-45, 1999.

 

9. Izzo A, Labriola D. Dysmenorrhea and sports activities in adolescents. Obstet Gynecol 18(2), 109-116,1991.

 

12. Motta EV. Dismenorréia – Como diagnosticar e tratar. Rev Bras Med 57 (5), 2000.

 

13. Nathan GK. Princípios e Práticas da Clínica Ginecológica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S.A., 370-371, 1983.

 

14. Nunes MG. Síndrome Pré-Menstrual – Etiopatogenia e Fisiopatologia. Femina 27 (1): 25-29, 1999. 
[ Lilacs ]

 

15. Poli MEH, Silveira GPG. Ginecologia preventiva. Porto Alegre, Artes Médicas, 46-47, 1994.

 

16. Rehme MFB. Dismenorréia. Sinopse de Ginec Obst 4: 84-95, 1996.

 

17. Sanfilippo JS, Schroeder B. Dysmenorrhea and pelvic pain in adolescents. Ped Clin North Am 46(3): 1999.

 

18. Strasburger VC. Clín Ped Am Norte. Interlivros, 3: 573-580, 1989.

 

19. Teperi J, Rimpela M. Menstrual pain, health and behaviour in girls. Minerva Ginecol 40 (9): 511-515, 1988.

 

20. Ylikokala O. Serum gonadotrophins, prolactin and ovarian steroids in primary dysmenorrhea. Br J Obstet Gynecol 86: 648-653, 1975. 

 

As informações sobre saúde contidas neste site são fornecidas somente para fins educativos e não pretendem substituir, de forma alguma, as discussões estabelecidas entre médicos e pacientes. O diagnóstico de qualquer doença só pode ser realizado por um profissional de saúde. Somente o profissional de saúde pode ajudá-lo a decidir pela melhor opção de tratamento.

Em caso de dúvidas, favor contatar o Fale Pfizer através do telefone 0800-16-7575 (de segunda a sexta-feira das 8h00 às 20h00). 

"Não tome nenhum medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde".

Todas as informações contidas neste site são destinadas ao público brasileiro.