Skip directly to content

Você já ouviu falar em hiperprolactinemia?

Redução da libido, impotência nos homens e infertilidade nas mulheres. Estes são alguns dos problemas que a hiperprolactinemia, uma alteração hormonal pouco conhecida, pode causar. A descoberta precoce da condição é fundamental para o sucesso do tratamento. Por isto, continue a leitura para saber reconhecer os sinais e sintomas e procurar o médico para ele avaliar se você tem hiperprolactinemia de fato.

O que é hiperprolactinemia?

A hiperprolactinemia é uma anomalia causada pela produção elevada de prolactina, conhecida também como hormônio do leite. A prolactina é produzida pela hipófise, uma glândula localizada na parte inferior do cérebro, que eleva a produção do hormônio durante o período gestacional e pós-parto. A hiperprolactinemia pode atingir tanto mulheres quanto homens em idade adulta e fértil (entre 20 e 50 anos).

Quais as causas da hiperprolactinemia?

Vários fatores podem levar uma pessoa a apresentar disfunção na produção de prolactina. Entre as causas mais comuns estão:

  • Hipotireoidismo primário (causado por um problema na tireoide que impede a secreção dos hormônios desta glândula);
  • Síndrome dos ovários policísticos
  • Gravidez e período de lactação;
  • Insuficiência renal;
  • Traumas ou lesões na região torácica;
  • Estímulo dos mamilos;
  • Estresse psicológico;
  • Efeito colateral ao uso de alguns medicamentos.

Para diagnosticar a condição, o médico deve solicitar que o paciente faça exame para medir o nível de prolactina no sangue.

Quais os sinais e sintomas da produção elevada de prolactina?

Os principais sinais e sintomas em pacientes com hiperprolactinemia são:

  • Infertilidade;
  • Falta de libido;
  • Menstruação irregular (oligomenorréia);
  • Ausência da menstruação (amenorreia);
  • Produção de leite sem gestação (galactorreia);
  • Disfunção erétil;
  • Osteoporose;
  • Tumor da hipófise.

Quais os tratamentos indicados para hiperprolactinemia?

É necessário descobrir a causa do problema para definir o melhor tratamento. Por exemplo: no caso de ser uma reação medicamentosa adversa, o médico poderá substituir ou suspender o uso do medicamento que pode estar causando o problema. Mas se a causa for um hipotireoidismo primário, pode ser indicada uma terapia para reposição do hormônio da tireoide que está provocando a hiperprolactinemia. De qualquer forma, como se trata de uma anomalia hormonal, é necessário o acompanhamento de um médico endocrinologista.


Conteúdos relacionados no site da Pfizer


Referências

http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/Hipeprolactinemia---PCDT-Formatado--.pdf - acessado em 21/02/18

https://www.febrasgo.org.br/noticias/item/344-a-hiperprolactinemia-no-consultorio-do-ginecologista-como-e-quando-o-tratamento-medicamentoso-e-indicado - acessado em 21/02/18

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC191295/ - acessado em 21/02/2018

http://www.sbemsp.org.br/problemas-da-hipofise/ - acessado em 21/02/2018