Mulheres com hemofilia - A importância do cuidado na gravidez

mulher grávida em pose séria

Ainda que rara em mulheres, a hemofilia pode ser um risco para quem deseja engravidar - e também para a criança que será gerada. Dessa forma, é importante que a gravidez de pessoas com hemofilia seja sempre planejada e acompanhada por profissionais. A doença não interfere no funcionamento do aparelho reprodutor e é possível usar o fator coagulante durante a gestação sem prejudicar o desenvolvimento do bebê. Veja quais os cuidados necessários em cada etapa.

Como mulheres com hemofilia podem se preparar para a gestação?

Antes de engravidar é necessário buscar aconselhamento genético sobre os riscos de se ter uma criança também afetada pela doença. É preciso ajuda profissional para que a gravidez seja uma realidade apenas depois da gestante ter informações claras e assertivas sobre:

  • A chance de transmitir hemofilia para a criança - que, geralmente, é de 50%;
  • As consequências de herdar a hemofilia para crianças do sexo feminino e masculino;
  • Quais cuidados estão disponíveis em nível local e a que custo;
  • Como a gravidez de mulheres com hemofilia, o parto e o pós-parto devem ser conduzidos para reduzir os riscos para a mãe e a criança.

Cuidados durante a gestação

A maioria das gestantes tem uma gravidez normal, sem complicações hemorrágicas. No entanto, é imprescindível que um obstetra acompanhe a gestação desde o momento da suspeita de gravidez. A equipe deve ser bem preparada, composta por:

  • Obstetra, que será responsável pelos cuidados com a gestante e o bebê durante toda a gravidez;
  • Hematologista, que acompanhará a progressão da hemofilia e manutenção do tratamento da doença durante toda a gravidez;
  • Anestesista, que estará presente no parto e precisa saber sobre as necessidades especiais de uma mulher com hemofilia.

Outros aspectos para ter atenção neste período:

Abortos - mulheres com certos tipos de distúrbios hemorrágicos podem ter abortos espontâneos mais frequentes, especialmente durante o primeiro trimestre. Esse risco pode ser reduzido com a terapia de reposição de fator coagulante feita durante a gestação.

Exames - é também no terceiro trimestre da gravidez de mulheres com hemofilia que deve ser feito um teste dos níveis de fator coagulante - se estiverem baixos, deve ser feita uma preparação para o parto, a fim de reduzir as chances de hemorragia.

Checagem do bebê - durante a gestação, casais que conceberam a criança por métodos naturais, devem fazer exames para verificar se o bebê foi afetado pela hemofilia. Os procedimentos para isso são a amniocentese ou a biópsia das vilosidades coriónicas, ambos invasivos.

Cuidados de pessoas com hemofilia no momento do parto

Devido aos altos níveis de hormônios durante a gravidez, a produção de coágulos é estimulada e, assim, mulheres com hemofilia encontram menos chances de sangrar no parto do que em dias comuns. 

Ainda assim, os níveis de coagulação devem ser monitorados desde dias antes do parto. Dessa forma, os profissionais da saúde envolvidos podem preparar tratamentos adequados - e podem avisar o banco de sangue do hospital, caso necessário. 

Durante o parto, caso ainda não seja do conhecimento dos pais e da equipe médica, o bebê deve ser considerado como afetado por hemofilia. O procedimento deve ser o mais gentil possível, sem etapas invasivas tanto para o bebê quanto para a gestante. O parto normal, portanto, é o ideal nesses casos, embora nem sempre possível.

Deve-se evitar:

  • Uma anestesia epidural;
  • Extração do bebê por sucção;
  • Injeções intramusculares profundas;
  • Episiotomia desnecessária (corte da pele perto da vagina para evitar rasgos);
  • O uso de fórceps;
  • Eletrodos de couro cabeludo.

O pós-parto de mulheres com hemofilia

As mulheres que amamentam geralmente mantêm os níveis hormonais elevados - os mesmo que tinham durante a gravidez. Isso as protege de sangramento nas semanas após o parto. Para evitar surpresas, todas as mães devem ser observadas cuidadosamente nas semanas após dar à luz. Exames também devem ser realizados para checagem dos níveis de coagulantes. Em alguns casos, podem ser necessárias transfusões de concentrados de fator coagulante e até mesmo de glóbulos vermelhos.

Há hoje diversos centros especializados que podem oferecer acompanhamento e tratamento de excelência a gestações de mulheres com hemofilia. O trabalho profissional durante esse processo é fornecer informações e apoio para ajudar durante a gravidez e empoderar as mulheres para assumirem o controle de sua condição, compreender sentimentos complexos e compartilhar de uma rede de apoio com outras mulheres que enfrentam os mesmos problemas. 


Referências: 

http://www.blog.saude.gov.br/index.php/component/content/article?id=35421:sus-fornece-tratamento-para-hemofilicos  - acesso em 03/12/2020

https://www.hemophilia.ca/precautions-for-pregnant-women-with-a-bleeding-disorder/ - acesso em 03/12/2020

https://elearning.wfh.org/elearning-centres/carriers-and-women-with-hemophilia/#quality_of_life - acesso em 03/12/2020

 

 

PP-PFE-BRA-3236