Skip directly to content

Distúrbios do crescimento

Apesar de 3% a 5% das crianças serem consideradas baixas, poucas apresentam, de fato, distúrbios do crescimento. Essas condições são caracterizadas pelo atraso no crescimento infantil afetando a altura. Continue a leitura e descubra o que pode causar distúrbios do crescimento e como é feito o diagnóstico.

Quais são os principais sinais de distúrbios do crescimento?

Alguns distúrbios do crescimento infantil podem ser identificados no nascimento, quando o bebê possui altura e/ou pesos anormais. Além disso, muitos desses problemas são notados ao longo da infância pelos próprios pais, quando a criança não acompanha o crescimento e desenvolvimento de outras da mesma idade.

Um ponto de atenção é o crescimento da criança após o segundo aniversário, que deve ser de, pelo menos, quatro centímetros ao ano. Apenas um médico pode fazer o diagnóstico. Porém, a atenção dos pais durante todo o crescimento é fundamental para ajudar a identificar o problema.

Quais podem ser as causas de distúrbios do crescimento?

Herança familiar – se os pais da criança são baixos, existem grandes chances de que a criança herde essa característica.

Deficiência hormonal – o hormônio do crescimento (GH) é produzido pela hipófise, glândula localizada no cérebro, e possui papel importante no crescimento. Sua deficiência reduz a taxa de crescimento, que pode resultar em baixa estatura. Quando produzido em excesso, pode causar problemas como o gigantismo, condição em que o organismo cresce mais do que o normal.

Falta de nutrientes na alimentação – para ter crescimento e desenvolvimento normais, existem alguns nutrientes que as crianças devem consumir. A deficiência deles pode comprometer o crescimento normal. Veja quais são:

  • Vitamina A – Esta vitamina age no fluxo do hormônio de crescimento durante a noite. Boas fontes: cenouras, manga, batata-doce e bife de fígado.
  • Zinco – o zinco tem ação no hormônio do crescimento, atuando no equilíbrio da sua produção. A deficiência limita o crescimento infantil e diminui a resistência a infecções. Boas fontes: carnes vermelhas, amêndoas e feijão.
  • Ferro – estudos demonstram que a deficiência desse elemento pode ser prejudicial tanto para o desenvolvimento infantil quanto para o crescimento físico, pois reduz a circulação de oxigênio nas células. Boas fontes: carnes vermelhas e espinafre.

Incapacidade de absorver nutrientes - existem situações em que a criança consome os nutrientes de forma correta, mas não os absorve. Como no caso da doença celíaca, que afeta o intestino. Para quem tem o problema, comer glúten pode fazer com que o revestimento interno do intestino seja danificado, dificultando a absorção de nutrientes essenciais para o crescimento.

Doenças genéticas – o material genético (DNA) é o que determina nossas características físicas, inclusive o nosso crescimento. As doenças genéticas são causadas por alterações nesse material. Algumas condições deste tipo são:

  • Síndrome de Turner – é um distúrbio genético que acomete apenas o sexo feminino, com a taxa de uma para cada 2.500 mulheres nascidas. Ela é causada por monossomia do cromossomo X. A condição clínica é variável, incluindo por vezes a baixa estatura, cardiopatia e dismorfismos faciais.
  • Síndrome de Prader-Willi – doença genética caracterizada por hipotonia severa e dificuldades de alimentação na primeira infância, seguida na infância por alimentação excessiva e desenvolvimento gradual de obesidade mórbida (a menos que haja um controle externo na alimentação) associada à baixa estatura e atraso de desenvolvimento.

Como diagnosticar um distúrbio do crescimento infantil?

Qualquer distúrbio do crescimento só pode ser diagnosticado por um médico especialista. Este profissional pode recorrer a vários tipos de exames para identificar problemas no crescimento, tais como:

Exame físico – em conjunto com os pais, o médico da criança também é responsável por observar o crescimento durante os primeiros anos de vida.

Exames de sangue – estes exames podem apontar e confirmar causas hormonais e genétics dos distúrbios de crescimento.

Raio-X de idade óssea– este exame de imagem é responsável por determinar a maturidade e o potencial de crescimento ósseo .

Quais são os tratamentos indicados para os distúrbios do crescimento?

Todos os tratamentos para crianças e jovens com distúrbios de crescimento dependem da causa dessa condição. De qualquer forma, os tratamentos que forem recomendados devem ser acompanhados por uma equipe médica especializada e podem incluir aconselhamento nutricional, terapia, reposição hormonal e suplementos vitamínicos.


Referências

http://www.stanfordchildrens.org/en/topic/default?id=growth-problems-90-P01956 – acessado em 21/05/2018

https://www.mhealth.org/childrens/care/conditions/growth-disorders-pediatric#related-treatments – acessado em 21/05/2018

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23435439 - acessado em 21/05/2018 acessado em 21/05/2018

https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/prader-willi-syndrome/symptoms-causes/syc-20355997 - acessado em 21/05/2018

http://www.abran.org.br/images/junho2010/fontesdeferro.pdf - acessado em 29/05/2018

http://www.abran.org.br/images/abril/tabelazinco.pdf - acessado em 29/05/2018

http://www.abran.org.br/images/pdf/tabelavitaminaa.pdf - acessado em 29/05/2018

http://www.who.int/elena/titles/zinc_stunting/en/ - acessado em 29/05/2018

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24296719 - acessado em 29/05/2018

http://www.genoma.ib.usp.br/sites/default/files/folder_doenca_genetica_transmitidas.pdf - acessado em 29/05/2018

http://www.scielo.br/pdf/%0D/ramb/v48n1/a29v48n1.pdf - acessado em 29/05/2018