Colite Ulcerativa

mulher segurando uma imagem que representa instestino

A colite ulcerativa é um tipo de doença inflamatória intestinal que atinge a camada interna que reveste o cólon e o reto. A inflamação causa dor abdominal, diarreia, muco e até sangue nas fezes, além de aumentar os riscos para câncer de cólon, a longo prazo. Quando não controlada, essa doença crônica afeta a qualidade de vida, hábitos e saúde emocional dos portadores. Veja práticas para controlar e conviver com a colite ulcerativa.

Como e por que a colite ulcerativa se desenvolve?

A causa da colite ulcerativa ainda não foi descoberta, mas percebe-se uma incidência maior de casos em países desenvolvidos e isso pode ter relação com hábitos alimentares, como consumo de fast food e alimentos ultraprocessados, além do sedentarismo. Os fatores de risco para a manifestação da doença são:

Idade – a média de idade da primeira manifestação da colite ulcerativa varia entre 15 e 25 anos, mas a doença pode desencadear crises ao longo da vida.

Etnia – a doença pode afetar qualquer pessoa, mas a incidência é maior em grupos caucasianos.

Genética – as chances de desenvolver colite ulcerativa varia de 5,2% a 22,5% em parentes de primeiro grau de uma pessoa afetada.

A doença ocorre como resposta do sistema imunológico a algum fator externo desconhecido. Com isso, o corpo começa a atacar a própria mucosa do intestino grosso e reto, causando a inflamação. Como consequência das úlceras causadas pela inflamação, a parede do intestino perde a capacidade de absorver água dos resíduos, o que gera a diarreia.

A maior parte das pessoas desenvolve os seguintes sinais e sintomas:

  • Dor abdominal;
  • Diarreia com muco e, ocasionalmente, sangue devido às ulcerações na parede do intestino e reto;
  • Perda de apetite;
  • Perda de peso;
  • Fraqueza.

Alguns sintomas podem se manifestar além do intestino e reto, como:

  • Vermelhidão e coceira nos olhos;
  • Aftas na boca;
  • Pedra nos rins;
  • Osteoporose;
  • Dor e inflamação nas articulações;
  • Feridas na pele.

O que fazer para conviver com a colite ulcerativa

Mesmo em casos de sintomas mais leves, conviver com a colite ulcerativa causa impacto social e emocional nas pessoas afetadas, que podem se sentir constrangidas e inseguras em continuar com as suas rotinas. Algumas práticas ajudam no processo de adaptação:

Falar sobre o assunto com familiares e amigos - não esconder a doença de pessoas do convívio e pedir apoio ajuda a superar alguns possíveis receios sobre os sintomas.

Levar troca de roupa e lenços umedecidos - ao viajar ou passar muito tempo fora de casa, principalmente em períodos de crise. Estar prevenido diminui eventuais preocupações.

Saber onde está o banheiro - em estabelecimentos comerciais, restaurantes, transportes públicos. 

Estar preparado ao viajar - isso inclui levar doses extras dos medicamentos prescritos, tirar dúvidas com o médico antes de programar a viagem e pesquisar outros médicos na região de destino. 

Não deixar de realizar tarefas habituais - e traçar planos, viagens, passeios com outras pessoas. A colite ulcerativa não deve ser um motivo para ter vergonha. Ao menos que a pessoa esteja com algum impedimento clínico, as tarefas e planos devem ser seguidas normalmente.

Procurar apoio psicológico - falar sobre os receios e angústias relacionadas ao quadro com um profissional é essencial para o tratamento e adaptação da doença. Levar uma pessoa de confiança ou um familiar pode ajudar a tomar essa decisão.

Participar de redes de apoio com outros pacientes - associações de pessoas com colite ulcerativa e grupos de redes sociais podem ser uma fonte de troca de experiências e informações. Conversar com pessoas que já convivem com a doença há mais tempo ajuda a manter uma atitude positiva durante a adaptação.

É importante ressaltar que a colite ulcerativa não tem cura, por ser uma doença crônica, mas tem períodos de remissão. Isso significa que a pessoa afetada pode passar um longo tempo sem desenvolver crises, mas deve manter o acompanhamento médico e seguir suas recomendações.


Referências 

 

 

PP-PFE-BRA-2361