Campanha alerta sobre importância de eliminar preconceitos neste Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio

Na Direção da Vida contará com exposição na Avenida Paulista e ação especial com o canal ter.a.pia

Conduzida pela Pfizer Brasil, em parceria com a Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA), a campanha Na Direção da Vida promove ações em setembro, conhecido como o mês de prevenção ao suicídio. A iniciativa integra o movimento mundial Setembro Amarelo para dar mais visibilidade aos transtornos mentais, como a depressão e a ansiedade. 

A edição 2021 da campanha contará com a exposição “Novos talentos da pintura: na direção da vida”. A mostra reúne em frente à Casa das Rosas, na Avenida Paulista, peças criadas por artistas inspiradas em depoimentos de pacientes diagnosticados com depressão. Serão cinco painéis criados pela pintora Alice Vilhena, de Jundiaí (SP) que aliam impacto visual com informação real e humanizada. Quem passar pela exposição, poderá saber mais sobre as histórias dessas pessoas por meio de um QR code ou também acessando o site da campanha (www.depressaosemtabu.com.br).

No mesmo local, será instalada uma escultura em forma de cabeça, de onde floresce um jardim conceitual de girassóis. A obra, criada pelo escultor Patricio Cordeiro, retrata a percepção do artista sobre as declarações dos mesmos pacientes e também o sentimento pela perda de dois amigos que se suicidaram durante a pandemia, por viverem com depressão e não procurarem ajuda.

Já nas redes sociais, a ação será em parceira com o canal ter.a.pia (http://www.historiasdeterapia.com) que divulga, com leveza e bom humor, histórias reais contadas por pessoas lavando louça, para dar voz a quem tem depressão ou ansiedade. Na ocasião, uma das pessoas que serviu de inspiração para as obras da Avenida Paulista dará um depoimento falando sobre como enfrentou a doença. O vídeo será postado nos perfis do ter.a.pia no Youtube, Facebook e Instagram,  

“O objetivo da campanha é abrir e manter o diálogo sobre o tema e estimular um ambiente de acolhimento para pessoas que, muitas vezes, não buscam apoio por falta de informação, por medo, insegurança ou vergonha de serem estigmatizadas”, diz Marjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.


Pesquisa de opinão

Duas condições relacionadas ao suicídio – ansiedade (16%) e depressão (8%) – lideraram os relatos dos entrevistados sobre os diagnósticos mais recorrentes na pesquisa inédita “Saúde Mental na Pandemia”. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), transtornos mentais como esses estão relacionados a aproximadamente 96,8% dos cerca de 12 mil casos anuais de suicídio no Brasil .

No levantamento, 35% dos respondentes afirmaram conhecer alguém que tirou a própria vida, independentemente do diagnóstico de uma condição associada à saúde mental. E são 73% aqueles que reconhecem as campanhas informativas e de conscientização como uma das formas de reduzir o preconceito em relação aos transtornos mentais, bem como a criação de programas escolares que discutam o assunto desde cedo com as crianças, apontado por 63% da amostra.

Os achados são do levantamento realizado pelo Ipec - Inteligência em Pesquisa e Consultoria, a pedido da Pfizer Brasil, em agosto deste ano, e entrevistou de forma online 2000 homens e mulheres (de 18 anos ou mais) na cidade de São Paulo e nas regiões metropolitanas de Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Salvador. 

“Os dados da pesquisa mostram que precisamos seguir o caminho da conscientização e estímulo para que cada vez mais pessoas busquem ajuda para tratar os transtornos mentais”, reforça Marta Axhtelm, presidente da ABRATA. 

SERVIÇO
Exposição “Novos talentos da pintura: na direção da vida”
Quando: de 1º a 31 de setembro
Onde:  em frente à Casa das Rosas