Surto de sarampo alerta para importância de imunização para outras doenças, como as pneumocócicas

Infecções como pneumonia e meningite, provocadas pelo pneumococo, são apontadas como mais fatais que o sarampo em crianças menores de cinco anos de idade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde

Sempre que são registrados surtos de alguma doença infectocontagiosa, a importância da vacinação volta a chamar a atenção de todos.  Esse é o caso do sarampo, uma doença considerada erradicada no Brasil e que voltou aos noticiários em 2019: já são mais de 9.304 casos registrados no País esse ano, segundo o Ministério da Saúde1

Manter a carteira de vacinação em dia pode evitar que outras doenças graves acometam, principalmente, as crianças. É o caso da pneumonia e da meningite, provocadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae, o pneumococo. Essas doenças podem ser prevenidas por meio da imunização, mas está é uma informação que nem todos sabem. Além disso, se não forem diagnosticadas precocemente e tratadas corretamente, podem levar à morte. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que as mortes por doenças pneumocócicas causem por ano mais de 800 mil mortes de menores de 5 anos2, superando em até 8 vezes os 110 mil3 óbitos causados anualmente por sarampo na mesma faixa etária, em âmbito mundial, de acordo com levantamento realizado em 2017. O Brasil está entre os 15 países com maior incidência de infecções pelo pneumococo. 

Formas de transmissão

A pneumonia é uma doença respiratória provocada por bactérias, vírus ou fungos. Três a cada 10 casos diagnosticados estão associados à bactéria pneumococo4.

Qualquer pessoa pode ter a doença pneumocócica, mas alguns indivíduos estão em maior risco do que outros, como crianças com menos de 2 anos de idade e adultos a partir de 65 anos; pessoas com doenças crônicas, como diabetes, câncer e insuficiência renal; pacientes com o sistema imunológico comprometido por outras doenças; e fumantes. 

A transmissão do streptococcus pneumoniae acontece por meio do contato entre pessoas que contraíram a doença ou que estão colonizadas pela bactéria, mas não apresentam sintomas. É comum que os indivíduos, principalmente as crianças, sejam portadoras e transmitam a bactéria sem adoecer. A gravidade, a alta incidência e os impactos em todas os grupos etários, fazem com que a vacinação seja uma estratégia importante na prevenção da doença pneumocócica5

Pacientes de alto risco

Pacientes com condições clínicas que comprometem o sistema imunológico apresentam um risco aumentado para pneumonia e doenças pneumocócicas invasivas, na comparação com indivíduos saudáveis6,7. Em portadores de HIV, a diminuição da capacidade das células de defesa faz com que o paciente apresente um risco de contrair pneumonia até 100 vezes maior em relação a pessoas sem essa condição, de acordo com alguns estudos8.

Pacientes oncológicos representam outro grupo suscetível à pneumonia, uma vez que o sistema imune pode ser enfraquecido pelo próprio câncer e pelos tratamentos que afetam as células de defesa. Também devem receber atenção especial indivíduos que utilizam imunossupressores, como as medicações usadas para evitar a rejeição em transplantados, ou mesmo os pacientes submetidos a transplante de medula, onde as memórias imunológicas adquiridas ao longo da vida, podem ser perdidas em decorrência do transplante.

Neste contexto, a vacinação contra o pneumococo assume um papel fundamental, especialmente para os pacientes de risco, e também está muito bem estabelecida nos calendários vacinais do Brasil e do mundo.  Médicos e pacientes devem estar atentos a oportunidades de atualização de todo calendário vacinal, atentando-se para a constante atualização das recomendações, e respeitando as particularidades de condições de saúde de cada paciente, 

 

Referências

1 Ministério da Saúde; Boletim Epidemiológico 31, em https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/outubro/24/Boletim-epidemiologico-SVS-31.pdf. Acesso em 28 Out 2019.  

2 World Health Organization, em https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/pneumonia. Acesso em 28 Out 2019.  

3 World Health Organization, em https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/measles. Acesso em 28 Out 2019.  

4 WELTE T e al Clinical and economic burden of community-acquired pneumonia among adults in Europe. Thorax. 2012;67(1):71–9.  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20729232.

5 Sociedade Brasileira de Imunização - SBIm - https://sbim.org.br/images/files/notas-tecnicas/nt-meningo-sbim-sbp-220819-at110919-ok.pdf - Atualizado em 11/09/2019.

6 PELTON SI e al. Rates of pneumonia among children and adults with chronic medical conditions in Germany. BMC Infect Dis. 2015;15(1):470. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26515134.

7 WELTE T e al Clinical and economic burden of community-acquired pneumonia among adults in Europe. Thorax. 2012;67(1):71–9. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20729232.

8 ORTQVIST A e al. Streptococcus pneumoniae: epidemiology, risk factors, and clinical features. Semin Respir Crit Care Med. 2005;26(6):563–74. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16388428.