Quando a ansiedade passa a ser patológica

mulher sentada no sofá com o computador apoiado no seu colo e as mãos na cabeça em sinal de preocupação

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país mais ansioso do mundo. A ansiedade acomete mais de 18 milhões de brasileiros, cerca de quase 10% da população, e causa um sentimento indefinido e desagradável de medo e apreensão devido a um perigo desconhecido. Quando é exagerada, torna-se um problema patológico, que pode prejudicar bastante a qualidade de vida. Identificar os sinais da ansiedade é o primeiro passo para enfrentá-la. Continue a leitura para saber como fazer isto.

Afinal, para que serve a ansiedade?

Ansiedade é um mecanismo do nosso cérebro que serve para nos alertar em situações adversas e desconhecidas, em que precisamos nos proteger. É uma reação normal em determinadas situações, porque nos estimula a entrar em ação, mas que pode ter efeito contrário e paralisar uma pessoa se tiver maior intensidade e duração do que o esperado para aquela ocasião. Nestes casos, ela torna-se patológica e precisa ser tratada.

Quando a ansiedade passa a ser patológica?

A ansiedade passa a ser patológica quando começa a prejudicar o dia a dia, causando transtornos físicos e emocionais e interferindo na qualidade de vida do indivíduo, que não consegue controlá-la. Os sintomas podem começar desde criança e persistirem até a fase adulta, sendo os mais frequentes:

  • Tontura;
  • Tremores;
  • Inquietação;
  • Suor em excesso;
  • Falta de ar;
  • Tensões musculares;
  • Insônia;
  • Sensação de fraqueza ou cansaço;
  • Irritabilidade e mudanças de humor;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Palpitações e desmaios.


Os tipos mais comuns de distúrbios de ansiedade são:

Fobias específicas - medo excessivo de um objeto ou situação, que começa a atrapalhar a vida da pessoa, que tenta evitá-lo em qualquer circunstância. Alguns exemplos são: medo de voar, de altura, de animais, de tomar uma injeção ou ver sangue.

Transtorno obsessivo compulsivo - quando o indivíduo apresenta obsessões e compulsões, por sofrer de comportamentos que parecem absurdos ou ridículos para si mesmo e/ou para as pessoas à sua volta, mas servem de alívio para que a pessoa afaste pensamentos desagradáveis, que são incontroláveis. 

Ataques de pânico - Quando há sentimento de medo por algo desconhecido e se tem crises de pânico por curtos períodos de tempo repetidas vezes.

Transtornos de estresse pós-traumático - acontece quando a pessoa vivencia um trauma, geralmente que ataca sua integridade física ou mental, e começa a reviver a situação em pensamentos, evitar situações que lembrem o fato e medo de que a situação se repita. 

Ansiedade generalizada - quando há preocupação excessiva em várias situações, até mesmo cotidianas, e a pessoa está comumente tensa e irritada.

Fobia Social - quando a pessoa não consegue ficar exposta à avaliação dos outros, e tem medo de ser rejeitado ou humilhado pelo círculo social em que vive, sentindo desconforto em fazer atividades simples como comer, falar e escrever em público. 

Como tratar a ansiedade?

Quando a ansiedade passa a ser patológica, é essencial marcar uma consulta com um médico psiquiatra. Após uma avalição e estudo do caso, o médico irá definir qual método de tratamento é o mais indicado para cada caso. Os tratamentos dividem-se em três tipos:

  • Acompanhamento terapêutico – com um psicólogo ou terapeuta;
  • Uso de medicamentos receitados e controlados;
  • A combinação dos dois fatores acima: medicamento e terapia.

Dicas para controle da ansiedade 

  1. Tenha um hobby e dedique-se a ele uma vez por semana - jardinagem, trabalho voluntário, artesanato ou um pet. Qualquer atividade que não seja o trabalho e que você goste.
  2. Faça exercícios físicos diariamente - não precisa ser em uma academia, você pode fazer caminhadas ou corridas em seu bairro, pular corda, andar de bicicleta ou praticar yoga. 
  3. Respire e inspire profundamente - sempre que você sentir que uma crise de ansiedade está para começar, pare e respire. A meditação também é uma forma de se reduzir a ansiedade e aumentar a sensação de alegria.
  4. Esteja com pessoas que te fazem bem - Não fique pensando exageradamente sobre os compromissos que irão ocorrer no dia. Esteja próximo de pessoas que você ama e converse com elas para relaxar um pouco. 
  5. Sono e alimentação - Evite as distrações na hora de dormir e tenha uma noite de sono tranquila para descanso do corpo, cuidando também da alimentação, ao tentar não descontar a ansiedade na comida.

 

Referências

 

PP-UNP-BRA-0152