Sol e câncer de pele: mitos e verdades

Senhora idosa passa protetor solar para evitar câncer de pele na exposição ao sol – Pfizer

Ainda que o câncer de pele possa ser causado por fatores genéticos, a exposição ao sol é um fator de risco bastante agravante. No Brasil, país com clima tropical e predominantemente quente, a ideia de beleza associada ao bronzeamento, e a rotina de praias e trabalho ao ar livre, tornam essa exposição ainda mais frequente.

A relação da exposição ao sol e do câncer de pele

O sol emite raios com altos níveis de radiação ultravioleta. Essa radiação atinge superficialmente (raios UVB) e mais profundamente (raios UVA) a pele, podendo causar queimaduras, lesões, alergias e também o câncer de pele. 

Dessa forma, pessoas que estão constantemente em exposição ao sol e permanecem assim por tempo prolongado têm mais riscos de contrair a doença. A falta de uso do protetor solar e as longas exposições ao sol são ainda mais graves em pessoas com pele, olhos e cabelos claros. Isso acontece porque possuem menos melanina no organismo - substância que oferece proteção natural à pele.

O que é mito e o que é verdade?

Veja algumas questões que costumam confundir as pessoas e descubra se são afirmações corretas.

1) Todo câncer de pele é relacionado à exposição ao sol

Mito. Entre 5 a 10% dos casos de melanoma estão relacionados a fatores genéticos. O câncer de pele também pode ser causado por alterações em genes - hereditárias ou não - e, dessa forma, pode atingir pessoas que produzem bastante melanina. No entanto, a exposição ao sol é o principal fator de risco para a doença - e essa pode ser evitada com os devidos cuidados.

2) O protetor solar é importante na prevenção ao câncer de pele

Verdade. O protetor solar age como um filtro sobre a pele, protegendo-a dos raios ultravioletas. No entanto, para que isso ocorra, é necessário que o produto seja usado corretamente:

  • O fator de proteção deve estar relacionado à necessidade de quem usa: pessoas com peles mais claras precisam de uma proteção mais intensa. Mas, independentemente do tipo de pele, o FPS mínimo deve ser 30;
  • Busque um protetor solar que ofereça filtro contra os raios UVB e UVA;
  • A aplicação deve ocorrer meia hora antes da exposição ao sol para que o produto seja absorvido pela pele;
  • É necessário reaplicar o protetor solar a cada três horas ou de duas em duas horas em casos de transpiração excessiva, exposição solar prolongada ou após molhar a pele.

3) O uso de cremes bronzeadores aumenta o risco de câncer de pele

Verdade. A proteção oferecida à pele por bronzeadores é baixa e insuficiente para filtrar a passagem de raios UVB e UVA. Além deste agravante, a aplicação do bronzeador é feita por cima do protetor solar - o que inibe a ação do produto. Dessa forma, em exposição ao sol não protegida, corre-se o risco de desenvolver câncer de pele do tipo basocelular e também melanoma.

4) É preciso usar protetor solar em dias nublados

Verdade. As nuvens podem encobrir o sol e diminuir a incidência dos raios ultravioletas em até 40%, mas ela ainda existe. Por isso, mesmo em dias nublados é necessário usar protetor solar e também acessórios como chapéus e óculos solares.

Proteja-se da exposição ao sol e previna o câncer de pele

A proteção contra os raios ultravioletas deve ser levada a sério durante toda a vida. Pesquisas indicam que crianças se encontram em uma fase vulnerável aos efeitos da radiação, pois a exposição cumulativa e excessiva neste período aumenta as chances de desenvolver lesões e tumores na fase adulta. Veja atitudes essenciais para uma proteção adequada e constante:

  • Evite a exposição ao sol sempre que possível, em especial entre as 10 e 16 horas, quando a radiação é mais intensa;
  • Caso seja necessário expor-se ao sol, use chapéu, óculos de sol e roupas que cubram a maior parte de sua pele;
  • Sempre que possível, busque proteção física para evitar a exposição ao sol, como árvores ou ambientes cobertos;
  • Use protetor solar todos os dias, sejam eles ensolarados ou nublados. Busque pelo produto adequado à sua pele e aplique corretamente;
  • Em locais com areia, neve ou de altitude elevada, redobre os cuidados.

 

Referências: 

https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/noticias/cancer-de-pele-11-cuidados-na-hora-de-curtir-o-sol  - Acesso em 11/12/2020

https://www.inca.gov.br/causas-e-prevencao/prevencao-e-fatores-de-risco/exposicao-solar - Acesso em 11/12/2020

https://www.inca.gov.br/causas-e-prevencao/prevencao-e-fatores-de-risco/exposicao-solar/como-se-proteger-do-cancer-de-pele  - Acesso em 11/12/2020

https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/cancer-da-pele/64/ - Acesso em 11/12/2020

https://www.sbd-sp.org.br/geral/qual-a-quantidade-ideal-de-protetor-solar/ - Acesso em 04/01/2021

 

 

PP-PFE-BRA-3271