Vacinação contra a gripe e atualização da carteira de vacinas

profissional de saúde segurando seringa para aplicar no paciente

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe teve início em todos os municípios do Brasil no final do mês de março. Ela será realizada em três etapas, de acordo com os públicos prioritários: 

  1. Na primeira fase, são vacinados idosos e profissionais da saúde; 
  2. Na segunda, recebem a vacina doentes crônicos, professores e profissionais de segurança e salvamento; 
  3. Na terceira fase, serão priorizadas crianças, gestantes, mães em até 45 dias após o parto, povos indígenas, pessoas com deficiência, funcionários do sistema prisional e jovens de até 21 anos que estão sob medidas socioeducativas ou em privação da liberdade.

A vacinação contra a gripe é realizada anualmente para reforçar o sistema imunológico de toda população às variações da doença. A vacina é indicada para qualquer pessoa com mais de 6 meses de vida, exceto aquelas que apresentaram reações alérgicas em doses anteriores ou pessoas com alergia a componentes do ovo.

Vacinar-se contra o vírus influenza não possui eficácia contra o coronavírus. No entanto, com a evolução da pandemia no país, a vacinação contra a gripe ajuda a reduzir a procura por atendimento de saúde e ainda auxilia profissionais da área na exclusão do diagnóstico, uma vez que os sintomas da gripe e da covid-19 podem ser parecidos.

Carteira de vacinas completa: veja quais são as vacinas obrigatórias e quando tomá-las

Quando vacinada, uma pessoa deixa de ser vulnerável ao contágio daquela doença em específico. Se a carteira de vacinas está completa, um indivíduo está menos vulnerável ao contágio de diversas enfermidades. Isso garante proteção individual, mas também coletiva: quanto mais pessoas vacinadas, menos pessoas podem ser contaminadas e menor é a possibilidade de transmissão.

Diversas doenças estão controladas atualmente devido ao sistema de vacinação. O Calendário Nacional de Vacinação disponibiliza 19 vacinas para mais de 20 doenças. Confira a lista obrigatória abaixo e mantenha a carteira de vacinas atualizada.

Vacinas para crianças

  • BCG: Proteção contra formas graves da tuberculose. Deve ser tomada após o nascimento, na maternidade, em apenas uma dose.
  • Poliomielite: Proteção contra a paralisia infantil. É aplicada via oral, em gotas. Devem ser tomadas três doses, com sessenta dias entre cada uma. A primeira dose pode ser feita a partir dos 2 meses de idade.
  • Tetravalente: Proteção contra difteria, tétano, coqueluche e meningite causada pela bactéria Haemophilus. Devem ser tomadas três doses, com sessenta dias entre cada uma. A primeira dose pode ser feita a partir dos 2 meses de idade. É necessário receber a dose da vacina dupla adulto aos dez ou onze anos de idade.
  • Tríplice viral: Proteção contra o sarampo, a rubéola e a caxumba. Deve ser tomada a partir dos 12 meses de idade, em uma dose única. Recomenda-se tomar o reforço sempre que ocorrerem campanhas para vacinação contra o sarampo.
  • Hepatite B: Proteção contra a hepatite B, a vacina deve ser tomada em três doses - na maternidade, com 1 mês e aos 6 meses.
  • Febre amarela: Proteção contra a febre amarela, deve ser tomada aos 6 ou aos 9 meses, dependendo da região em que a criança vive. A vacina é de apenas uma dose, mas o reforço deve ser realizado a cada 10 anos.

Vacinas para adultos

  • Tétano e difteria: O reforço deve ser realizado a cada 10 anos.
  • Febre amarela: O reforço deve ser realizado a cada 10 anos. A vacina também é necessária para aqueles que irão viajar para áreas endêmicas. Nesse caso, a vacinação deve ser feita com 10 dias de antecedência à viagem.
  • Influenza: Proteção contra gripe. Deve ser tomada anualmente pelos grupos de risco (doentes crônicos, profissionais da saúde, professores, crianças, gestantes, mães em até 45 dias após o parto, povos indígenas, pessoas com deficiência, funcionários do sistema prisional, jovens de até 21 anos que estão sob medidas socioeducativas ou em privação da liberdade e profissionais de segurança e salvamento).

Caso não tenha tomado as vacinas indicadas durante a infância, o adulto deve tomá-las assim que possível.

Vacinas para idosos

  • Influenza: Proteção contra gripe. Deve ser tomada anualmente.
  • Pneumococo: Proteção contra a pneumonia. Deve ser tomada em dose única, com reforço após 5 anos.
     

Referências

https://saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/ - acesso em 18/04/2020

https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46590-41-mil-postos-estao-abertos-para-a-vacinacao-contra-a-gripe - acesso em 18/04/2020

https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-gripe-influenza - acesso em 18/04/2020

https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/imprensa/noticias/Paginas/As-vacinas-que-os-adultos-precisam-tomar.aspx - acesso em 18/04/2020

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cart_vac.pdf - acesso em 18/04/2020

 

 

PP-PFE-BRA-2594