Vitiligo pode ter causa emocional?

mulher com vitiligo na posição de perfil

O vitiligo é uma doença que causa a perda da cor da pele em determinadas partes do corpo, fazendo com que manchas mais claras apareçam. As áreas descoloridas geralmente ficam maiores com o tempo e podem aparecer por causa emocional, como por exemplo, após um episódio de muito estresse, traumas como um acidente ou a perda de alguém querido. Continue a leitura e saiba até que ponto as emoções podem desencadear a doença e como é feito o tratamento.

O que é vitiligo e como se manifesta?

O vitiligo pode começar em qualquer idade, mas geralmente aparece antes dos 30 anos. A condição pode afetar a pele em qualquer parte do corpo, inclusive o cabelo, criando mechas brancas, e mucosas, como o interior da boca. A maior parte das pessoas com vitiligo não manifesta nenhum sinal ou sintoma além das manchas mais claras, mas alguns pacientes se queixam de sensibilidade na área afetada.

O vitiligo não é contagioso ou fatal, e o quadro afeta pessoas de todos os tipos de pele, mas pode ser mais perceptível em pessoas com pele mais escura, que contrastam de forma mais intensa com as manchas claras. 

Quais as causas do vitiligo e como as emoções podem estar relacionadas? 

Normalmente, a cor do cabelo e da pele é determinada pela melanina – o pigmento que dá cor à pele, cabelo e olhos. O vitiligo ocorre quando as células que produzem melanina morrem ou param de funcionar.

Não se sabe exatamente o que faz com que essas células de pigmento falhem ou morram, mas entre as possíveis causas do vitiligo estão:

  • Um distúrbio do sistema imunológico - condição autoimune, na qual o próprio corpo da pessoa gera o quadro;
  • Histórico familiar - presente em cerca de 30% dos casos
  • Um evento traumático desencadeante, como episódio de estresse extremo, queimaduras solares graves ou trauma na pele, como contato com produto químico com certo efeito tóxico à pele.


De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, em situações de estresse, a pele é um dos primeiros órgãos a sinalizar que algo não está certo em nosso corpo. Isso acontece porque a pele e o sistema nervoso têm a mesma origem embriológica: os dois se originam na ectoderme, que é a camada exterior de um embrião em desenvolvimento. Por compartilharem a mesma formação, eles exercem influência um no outro, o que explica por que algumas doenças podem se agravar devido a fatores psicossomáticos, como, além do vitiligo, herpes, psoríase e eczemas.

Quais os sinais do vitiligo?

Os sinais do vitiligo em pessoas com a condição incluem:

  • Perda irregular da cor da pele, geralmente primeiro nas mãos, rosto e áreas ao redor das aberturas do corpo e dos genitais;
  • Clareamento prematuro ou grisalho do cabelo no couro cabeludo, cílios, sobrancelhas ou barba;
  • Perda de cor nas mucosas, como a pele que reveste o interior da boca e do nariz;

Possíveis complicações causadas pelo vitiligo

Pessoas com vitiligo podem estar em maior risco de alguns quadros, como por exemplo:

Sofrimento social ou psicológico

A Sociedade Brasileira de Dermatologia aponta que, como outros distúrbios de pele, a doença causa grande impacto social, já que, por falta de informação, as pessoas acreditam que ela é contagiosa. Por conta do preconceito, pessoas com vitiligo podem ter autoestima baixa, ansiedade social, depressão e maiores níveis de estresse, o que também contribui para que o aparecimento das manchas.

Queimaduras de sol

Como as manchas ocasionadas pelo vitiligo são mais claras e aparecem em decorrência da falta de melanina, essas partes da pele requerem maior proteção contra o sol. Sem o uso de um bom bloqueador solar e peças como bonés, óculos e blusas de mangas compridas, queimaduras de sol podem ocorrer. 

Problemas oculares e perda de audição

Embora não seja comum, o vitiligo também pode afetar os olhos e os ouvidos, já que nessas partes do corpo existem melanócitos que podem ser alterados pela doença.

Existe tratamento para o vitiligo?

Não há cura para o vitiligo, mas dependendo das características de cada pessoa afetada, é possível que tratamentos ajudem a restaurar parte da cor da pele. No entanto, as terapias oferecidas atualmente não impedem a perda contínua da cor da pele ou o aparecimento de novas manchas. 

Tratamento tópico - pomadas a base de corticosteroides, que ajudam a induzir a repigmentação das áreas acometidas;

Fototerapia - a pessoa com vitiligo recebe radiação ultravioleta em uma cabine específica. As sessões costumam ser realizadas de duas a três vezes por semana durante alguns meses.

Microenxerto - indicado para quem possui poucas manchas. A técnica retira pele comum, de um local que tenha pigmentação, e enxerta na parte afetada pelo vitiligo.

 

Referências

 

 

PP-UNP-BRA-0169