Saiba se prevenir das doenças mais comuns no inverno

Mulher assoando o nariz devido a doenças mais comuns no inverno - Pfizer

Durante as estações mais frias do ano, há um aumento na incidência de doenças alérgicas e infecciosas, transmitidas por vírus e bactérias. Isso acontece, principalmente, porque as pessoas tendem a ficar mais em locais fechados, sem ventilação. Outro motivo é que as mucosas do sistema respiratório tendem a ficar irritadas com o clima frio e seco. Veja quais as doenças mais comuns no inverno, quais grupos de pessoas são mais acometidos e como a prevenção deve ser feita.

Quem está mais vulnerável às doenças mais comuns no inverno?

Alguns grupos de pessoas estão mais suscetíveis a infecções por vírus e bactérias, que aumentam durante a época de frio. Doenças que parecem “inofensivas” podem causar complicações a essas pessoas. Um exemplo é a gripe, que causa consequências graves a 3,5 milhões de pessoas a cada ano, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Os grupos que estão mais vulneráveis a essas doenças são:

Crianças abaixo de cinco anos – elas ainda não têm o sistema imunológico bem formado e, por isso, estão mais sujeitas às infecções respiratórias e agentes que causam alergia, como mofo, poeira e fumaça de cigarro. É por isso que, quando uma criança vai à escola com alguma doença viral ou bacteriana, é comum os colegas se contagiarem também.

Idosos acima de 60 anos – é comum a presença de doenças crônicas nessa faixa etária - como doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, diabetes, entre outras - o que contribui para a diminuição da imunidade. Assim, ficam mais suscetíveis a infecções e complicações, caso se contagiem. 

Imunossuprimidos – são pessoas que vivem com HIV, transplantados, que fazem uso de medicamentos imunossupressores ou que possuem alguma doença que ataca o sistema imunológico. Elas têm a imunidade mais baixa e por isso estão mais vulneráveis a infecções e complicações, caso se contagiem.

Doenças mais comuns no inverno: gripe

A gripe é uma infecção causada pelo vírus influenza, que atinge o sistema respiratório e tem grande potencial de transmissão. Cerca de 40 mil pessoas são internadas, por ano, devido a alguma complicação da gripe. Não há um medicamento que cure a doença, portanto o tratamento é feito para controlar os sinais e sintomas, que costumam durar de sete a dez dias. São eles:

  • Mal-estar;
  • Dor no corpo;
  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Tosse;
  • Secreção nasal;
  • Crianças podem ter diarreia, vômito e bronquite.

 

Como prevenir a gripe – a única forma eficaz de prevenir a gripe é por meio da vacinação contra o vírus influenza. Essa vacina está disponível na rede privada e pública de saúde e é indicada para todas as pessoas acima de seis meses de idade, incluindo grávidas e imunossuprimidos. A dose é única e anual. Consulte o calendário da campanha de vacinação contra a gripe da sua cidade.

Doenças mais comuns no inverno: resfriado

O resfriado comum pode ser causado por mais de 200 vírus diferentes, sendo o mais comum o rinovírus. A doença se desenvolve de forma muito parecida com a gripe, mas os sintomas costumam ser mais brandos, com duração de três a cinco dias. São eles:

  • Espirros;
  • Coriza;
  • Congestão nasal;
  • Mal-estar;
  • Dor de garganta.

 

Como prevenir o resfriado – não há vacinas que protejam contra os vírus causadores do resfriado. Então, as formas de evitar o contágio e a transmissão da doença se referem a alguns bons hábitos, que servem também para outras doenças virais e bacterianas. São eles:

  • Evitar ambientes fechados e sem ventilação, mesmo durante o frio;
  • Lavar as mãos com água e sabão ou solução de álcool 70% ao chegar em casa da rua, depois de assoar o nariz, espirrar ou tossir, após ir ao banheiro e antes de preparar alimentos;
  • Não mandar crianças doentes à escola;
  • Cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir, de preferência com lenços descartáveis;
  • Adotar hábitos saudáveis de alimentação, beber bastante água e hidratar as mucosas nasais com solução fisiológica, para evitar irritações.

Doenças mais comuns no inverno: asma

A asma é uma doença crônica, sem cura, não transmissível, que causa inflamação nas vias aéreas, deixando-as inchadas e sensíveis ao entrar em contato com poeira, mofo, fumaça de cigarro, entre outros agentes irritantes. Um dos principais sintomas da doença, que acomete cerca de 20 milhões de brasileiros, é a dificuldade para respirar. A doença pode atingir pessoas de qualquer idade e as crises costumam se acentuar durante as estações frias do ano. Além da dificuldade para respirar, as pessoas que têm asma costumam manifestar os seguintes sinais e sintomas:

  • Falta de ar; 
  • Aperto e/ou chiado no peito; 
  • Tosse.

 

Como prevenir a asma – não é possível impedir a doença de se manifestar, já que suas causas são relacionadas a fatores genéticos e ambientais. Porém, é possível evitar crises e complicações com algumas medidas:

  • Ter acompanhamento médico regular e seguir as recomendações do especialista, que pode prescrever medicamentos;
  • Evitar a exposição a lugares com muita poeira, fumaça, poluição e cheiros fortes;
  • Manter-se agasalhado, principalmente em estações frias do ano;
  • Não fumar e evitar ficar perto de pessoas que fumam;
  • Evitar usar carpetes e manter a casa livre de pó e sujeira;
  • Evitar bichinhos de pelúcia, almofadas, tapetes e outros objetos que costumam atrair ácaros;
  • Fazer exercícios físicos regularmente, sob orientação médica.

Doenças mais comuns no inverno: pneumonia

A pneumonia é uma inflamação que atinge os pulmões e pode ser causada por vírus, fungos ou bactérias, sendo a última a mais comum. A doença pode causar comprometimento grave dos pulmões, principalmente em pessoas dos grupos de risco. Em crianças menores de cinco anos, por exemplo, a pneumonia bacteriana é a principal causa de morte no mundo todo, segundo a OMS. Ajuda médica deve ser procurada com urgência ao perceber os seguintes sinais e sintomas:

  • Febre alta;
  • Tosse;
  • Dor no tórax;
  • Fraqueza;
  • Mal-estar generalizado;
  • Falta de ar;
  • Secreção de cor amarelada ou esverdeada.

 

Como prevenir a pneumonia – existem três tipos de vacinas disponíveis para prevenir a pneumonia nas redes privada e pública de saúde. São elas:

  • Pneumocócica 10 valente – previne cerca de 70% das doenças causadas por dez tipos de bactérias pneumococos, responsáveis pela pneumonia, otite (infecção de ouvido) e meningite. É recomendada para crianças a partir de 2 meses e menores de 6 anos de idade;
  • Pneumocócica conjugada 13-valente – está disponível nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs) e na rede privada e previne doenças causadas por 13 tipos de pneumococos. A vacina é indicada para crianças a partir de 2 meses, adultos do grupo de risco e adultos com mais de 50 anos de idade. 
  • Pneumocócica polissacarídica 23-valente – é disponibilizada nas redes públicas de saúde para idosos com mais de 60 anos de idade e crianças, adolescentes e adultos de grupos de risco para doença pneumocócica. 

 


Referências:

 

 

PP-PFE-BRA-3676