Doenças cardiovasculares mais comuns no inverno

homem com a mão no coração e demonstrando uma expressão de dor

O inverno está associado ao aumento dos casos de doenças cardiovasculares e da mortalidade cardiovascular. O risco de infarto, por exemplo, pode ser até 30% maior nessa época do ano. A cada diminuição de 10 °C na temperatura mínima, as chances de ter um infarto aumentam em 7%. Saiba o que o frio pode provocar à saúde cardiovascular, principalmente no caso de idosos, quais são os principais problemas cardíacos nessa época do ano e como redobrar a atenção com as medidas de prevenção. 

Qual a relação entre doenças cardiovasculares e inverno?

Devido à queda da temperatura no inverno, chega-se menos sangue ao coração, pois o clima frio tira o calor do corpo, forçando o coração a trabalhar mais para mantê-lo aquecido. Os vasos sanguíneos vão se contraindo para que o coração possa se concentrar em bombear sangue para o cérebro e outros órgãos importantes, e essa diminuição da circulação sanguínea pode gerar dor no peito, chamada de angina, que é causada pelo estreitamento das artérias que conduzem sangue ao coração, ou até mesmo um infarto.

Essas reações do organismo sobrecarregam o sistema cardiovascular, que passa a trabalhar mais para manter a temperatura corporal equilibrada. Elas incluem:

  • Constrição (espasmos) dos vasos sanguíneos para impedir a perda do calor;
  • Respiração superficial pela boca;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Aumento da frequência cardíaca;
  • Maior consumo de oxigênio pelo coração.


No inverno, também há maior incidência de doenças respiratórias, que aumentam o risco de descontrole de problemas cardíacos já existentes. O frio e a presença de uma infecção podem tornar uma placa de gordura instável ou mesmo piorar a falta de ar de uma pessoa com insuficiência cardíaca estável.

Além disso, algumas pessoas deixam de praticar exercícios físicos nessa época do ano e passam a comer alimentos mais calóricos, devido à sensação de bem-estar e aquecimento corporal que proporcionam. No entanto, isso não faz bem à saúde do coração.

Quais doenças cardiovasculares são mais comuns no inverno?

A época mais fria do ano pode desencadear doenças do coração, como:

  • Infarto;
  • Acidente vascular cerebral (AVC);
  • Angina (tipo de dor no peito);
  • Isquemia no coração (falta de circulação nas artérias coronárias);
  • Arritmias cardíacas.


Tais condições podem provocar dores no peito, falta de ar, coração acelerado, náuseas e tonturas, por exemplo. Apresentar um ou mais desses sintomas não significa, necessariamente, um infarto ou outra doença cardiovascular. Mas é importante buscar a orientação de um médico ou ir à emergência de um hospital para avaliar o caso. Não espere os sinais e sintomas piorarem. 

Quais são os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares?

As chances de desenvolver doenças do coração aumentam para as pessoas que já têm predisposição a distúrbios cardíacos ou que apresentam algum problema no coração. Porém, existem algumas condições que são fatores de risco para problemas cardíacos, independentemente do frio. Veja quais são:

  • Sedentarismo;
  • Obesidade;
  • Estresse;
  • Tabagismo;
  • Colesterol alto;
  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes. 


Pessoas com uma ou mais das condições acima, especialmente idosas, precisam se cuidar e manter sob controle doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, principalmente em épocas de temperaturas mais baixas.

Como reforçar a prevenção de doenças cardiovasculares durante o inverno?

É comum as pessoas mudarem os hábitos alimentares durante o inverno e deixarem de praticar exercícios físicos, o que pode levar ao aumento de peso. Comer alimentos mais gordurosos e calóricos pode gerar alterações no perfil metabólico e ser prejudicial à saúde cardiovascular. Portanto, por mais que a época mais fria do ano não seja tão convidativa para alguns hábitos, é importante intensificar as medidas de prevenção de doenças do coração, como:

  • Ter uma alimentação balanceada;
  • Praticar exercícios físicos;
  • Manter o peso sob controle;
  • Evitar fumar e ingerir quantidades excessivas de álcool (aumentam o risco de hipertensão arterial e ataque cardíaco).


Além disso, esteja em dia com a vacina contra a gripe. Vacinar-se contra a gripe no outono diminui o risco de ter um infarto no inverno, especialmente entre os idosos. Isso porque uma infecção deixa o organismo em estado maior de inflamação, que aumenta as chances de romper placas de gordura, cálcio e outras substâncias (placas de aterosclerose) nas artérias e ter um infarto. A vacinação também contribui para a redução do risco de morte por doenças cardiovasculares e AVC.

Para se proteger do frio e evitar o desencadeamento de alguma doença cardíaca, principalmente idosos e pessoas com doenças crônicas, veja o que fazer: 

  • Mantenha a casa aquecida e evite sair em dias muito frios;
  • Mantenha-se ativo em ambientes fechados para elevar a temperatura corporal e melhorar seu sistema imunológico. Faça um alongamento, por exemplo;
  • Caso precise sair, se agasalhe bem. Use luvas nas mãos e cubra o rosto quando a temperatura estiver abaixo de 15°C e, principalmente, se estiver ventando.

 

Conteúdo relacionado no site da Pfizer

 

Referências

 

PP-UNP-BRA-0366