Por que o número de casos de AVC em jovens tem aumentado? Saiba como se prevenir

Jovem sofrendo com estresse, um dos fatores de risco para o AVC em jovens

O acidente vascular cerebral (AVC) é a segunda principal causa de mortes no Brasil e uma das mais recorrentes razões de sequelas e incapacidade no mundo. Mais de 16 milhões de pessoas são afetadas ao ano - e, destas, cerca de 6 milhões não resistem. Popularmente conhecido como AVC, a condição é mais comum em adultos mais velhos, mas a incidência em jovens e pessoas de meia idade tem crescido nas últimas décadas. Isso torna ainda mais necessário o alerta sobre certos hábitos que podem influenciar esse aumento da incidência dos casos e as formas de prevenção, principalmente, entre os jovens. 

Tipos de acidente vascular cerebral

O AVC é uma condição que ocorre quando a circulação de sangue para o cérebro é interrompida de alguma forma, impedindo que o órgão obtenha nutrientes e oxigênio. O acidente vascular cerebral geralmente é causado por um coágulo (AVC isquêmico) ou por algum sangramento (AVC hemorrágico). 

AVC isquêmico - acontece quando há a obstrução de uma artéria cerebral, que interrompe o fluxo de sangue. Geralmente é causado por tromboses  ou embolias. O AVC isquêmico é o mais comum na população em geral (85% dos casos) e também entre os jovens: um estudo realizado com indivíduos de menos de 50 anos  concluiu que esse tipo de acidente vascular cerebral acometeu 86% dos pacientes e era mais incidente naqueles acima de 36 anos.

AVC hemorrágico - acontece quando um vaso sanguíneo se rompe espontaneamente, causando um sangramento dentro do tecido cerebral. É o tipo de acidente vascular cerebral menos comum, mas que tende a ser mais grave.

Efeitos colaterais do AVC

O AVC é uma das principais causas de incapacidade em pessoas do mundo todo. Das pessoas afetadas, cerca de 70% têm algum prejuízo funcional e 30% encontram dificuldades de locomoção. Embora as sequelas não estejam diretamente relacionadas com a idade do paciente, os jovens podem sentir mudanças mais bruscas na rotina, já que costumam ser mais ativos. Por outro lado, o organismo de uma pessoa mais nova possui capacidade de reaprender funções perdidas com mais facilidade, o que especialistas chamam de neuroplasticidade. Isso permite que jovens possam se recuperar em até 100%. 

A incidência do AVC em jovens

Aproximadamente um quarto dos acidentes vasculares cerebrais acontecem em pessoas com menos de 65 anos. Nos anos 2000, um estudo realizado no Paraná  tomou como base a incidência de 10% dos casos em pacientes com idade inferior a 55 anos e de 3,9% em pacientes com idade inferior a 45 anos.

Desde a década de 80, no entanto, esse número vem crescendo. De acordo com o Datasus, no período entre 1998 e 2007 o aumento das internações causadas por AVC em jovens de 15 a 34 anos aumentou 64% entre os homens e 41% entre as mulheres. Em 2012, o Ministério da Saúde registrou 4 mil internações por este problema entre os indivíduos abaixo de 45 anos no Brasil.

No país, o número de mortes anuais causadas por acidente vascular cerebral chega a cerca de 100 mil pessoas em todas as faixas etárias - o que indica morbidade e mortalidade importantes. Entre os anos 2000 e 2010, 62 mil pessoas abaixo dos 45 anos faleceram por AVC

Ao analisar as estatísticas entre 2008 e 2012, no entanto, um estudo realizado no Brasil mostrou que a tendência é de estabilidade  dos dados de incidência e mortalidade.

Por que houve um aumento dos casos de AVC em jovens nas últimas décadas?

Especialistas dividem as causas em dois motivos principais:

  1. Mudanças no estilo de vida. A camada jovem da população atual apresenta mais casos de obesidade, diabetes e hipertensão que antigamente - e essas doenças estão diretamente relacionadas aos acidentes vasculares cerebrais. Fatores como alimentação não saudável e sedentarismo causam as alterações genéticas que desencadeiam tais condições.
  2. Avanços da medicina. Hoje há mais facilidade de diagnosticar doenças devido ao desenvolvimento de tecnologia de ponta. A ressonância magnética, por exemplo, foi um grande passo na visualização de AVCs pequenos que poderiam passar despercebidos há algumas décadas. Esse cenário fez com que mais casos fossem contabilizados.

 

Fatores de risco envolvidos no AVC em jovens

É preciso levar em consideração algumas características específicas que aumentam os riscos de desenvolvimento da doença. No caso de AVC em jovens, os agravantes são:

  • Sexo. A incidência de AVC é maior em homens;
  • Doenças cardíacas congênitas ou adquiridas, como a fibrilação atrial, o infarto, as doenças nas válvulas e a doença de Chagas. Mesmo após a correção cirúrgica ou tratamento, continuam representando um risco de 9 a 12 vezes maior para AVC em jovens do que no restante da população;
  • Distúrbios metabólicos, como diabetes e obesidade;
  • Doenças vasculares, como vasculites;
  • Doenças no sangue, como linfoma, hemofilia e outras;
  • Anemia falciforme, causa mais comum de AVC em crianças;
  • Tabagismo;
  • Uso excessivo de álcool;
  • Ingestão de substâncias tóxicas, como drogas;
  • Estresse;
  • Sedentarismo;
  • Colesterol elevado;
  • Apneia do sono. 

 

Um olhar mais atento para o risco de AVC em jovens durante a pandemia de Covid-19

Um recente estudo divulgado pela revista médica The Lancet levantou a suspeita de que o excesso de trabalho como causador de estresse pode estar relacionado a um maior risco de AVC em jovens. A pesquisa concluiu que, entre as 600 mil pessoas acompanhadas durante o estudo, aquelas que trabalhavam mais de 55 horas por semana tinham uma chance 33% maior de ter AVC do que os que trabalhavam entre 35 e 40 horas semanais. 

Esse resultado pode ser explicado de maneira multifatorial: o excesso de trabalho faz com que a pessoa tenda a se alimentar mal, a fazer menos exercícios físicos e a ter menos tempo para cuidar de sua saúde. Além disso, o estresse pode também aumentar a incidência de hipertensão e diabetes. 

Durante a pandemia de coronavírus, muitos jovens mudaram a rotina de trabalho presencial pela remota e, a confusão entre ambiente profissional e casa flexibilizou os limites entre expediente e folga. Além do excesso de trabalho.

Outro fator importante é o aumento de casos associados de Covid-19 e complicações causadas pela formação de coágulo de sangue dentro de veias. Isso pode explicar o aumento em 7 vezes de AVC isquêmico  em pessoas com menos de 50 anos, sem comorbidades, que enfrentaram o coronavírus. 

Como prevenir o AVC em jovens? 

Com um estilo de vida saudável, é possível reduzir em até 80% os casos de AVC em jovens - o mesmo vale para adultos acima de 45 anos. 

  • Alimentação saudável, evitando o alto consumo de gorduras e açúcares;
  • Prática de atividades físicas;
  • Controle da pressão arterial;
  • Controle da diabetes;
  • Controle do colesterol e triglicerídeos;
  • Evitar consumo excessivo de álcool;
  • Evitar uso de drogas;
  • Não fumar.

 

Veja também
Tabagismo 
Guia alimentar para a saúde do seu coração 
Covid-19: principais perguntas sobre a vacina da Pfizer e BioNtech 

Referências: 

 

 

PP-PFE-BRA-3589