Tabagismo

mulher asiática respirando fundo em meio à natureza

O consumo de cigarro ou outros derivados do tabaco está associado a cerca de 50 doenças, incluindo doenças cardiovasculares, câncer de pulmão, enfisema pulmonar e bronquite crônica, que estão entre as principais causas de morte no Brasil. 

O que torna o tabagismo nocivo são as mais de quatro mil substâncias tóxicas presentes na fumaça do tabaco. Além das mais conhecidas, como alcatrão e monóxido de carbono, o fumante também inala substâncias radioativas, como polônio 210 e cádmio, metal encontrado em baterias de carros. 

Estatísticas sobre o tabagismo

As estatísticas revelam que fumantes apresentam um risco:

  • 15 a 30 vezes maior de ter câncer de pulmão;
  • 12 a 13 vezes maior de sofrer de bronquite crônica e enfisema pulmonar;
  • 2 vezes maior de sofrer infarto;
  • 3 vezes maior de sofrer derrame cerebral.

Estimativas também mostram que o tabagismo é responsável por:

  • 156 mil mortes por ano no Brasil (428 mortes por hora);
  • 12,6% de todas as mortes que ocorrem no País em pessoas maiores de 35 anos;
  • 90% dos casos de câncer no pulmão;
  • 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer;
  • 85% das mortes causadas por bronquite e enfisema;
  • 45% das mortes causadas por doença coronariana, incluindo infarto; 
  • 25% das mortes por doenças cerebrovasculares, como derrame. 

É importante lembrar que não fumantes expostos à fumaça de tabaco de outras pessoas (tabagismo passivo) também estão em maior risco para essas doenças. 

Por que o tabagismo causa dependência 

Muitas pessoas, mesmo conscientes dos prejuízos causados pelo tabagismo, têm dificuldade de abandonar esse hábito. O tabaco contém nicotina, uma substância altamente viciante. Ela é absorvida rapidamente pelo organismo e chega ao cérebro em poucos segundos. No cérebro, estimula a liberação de substâncias químicas que, temporariamente, causam prazer e relaxamento. A busca pela repetição desses efeitos agradáveis faz com que a pessoa queira fumar novamente e logo se torne dependente. 

A dependência de nicotina tem três componentes básicos: 

Dependência física - quando fumar se torna um hábito, o corpo se acostuma com a nicotina. Isso faz com que a privação da substância cause sintomas de abstinência, como desejo intenso de fumar, ansiedade, irritabilidade, inquietação, insônia, dor de cabeça e prisão de ventre. 

Dependência psicológica - a pessoa sente que precisa fumar para conseguir fazer as tarefas do dia a dia ou para lidar com sentimento de tristeza, solidão ou ansiedade. 

Dependência comportamental - o fumante associa o cigarro a certas situações da rotina, que se tornam gatilhos. Por exemplo, fumar ao acordar, após as refeições ou durante as pausas do trabalho. 

Parar de fumar por conta própria pode ser muito difícil. Mas, com apoio e acompanhamento profissional, as chances de sucesso são muito maiores. O primeiro passo é conversar com seu médico. O profissional de saúde pode prescrever medicamentos que reduzem os sintomas de abstinência e indicar programas que auxiliam nesse processo. 

 

Referências

 

PP-PFE-BRA-1688