Skip directly to content

Dislipidemias

Com a mudança dos hábitos nas últimas décadas, a vida mais sedentária e hábitos alimentares  ruins, casos de dislipidemias são cada vez mais comuns. Isso preocupa, pois, a dislipidemia é um grande fator de risco para doenças cardiovasculares, como infartos, e também para acidente vascular cerebral. Mas o que é dislipidemia? Quais são as causas? Continue a leitura e entenda tudo sobre este distúrbio.

O que são dislipidemias?

As dislipidemias são caracterizadas pela presença de níveis elevados de lipídios, ou seja, gorduras no sangue. Quando estes níveis ficam elevados, é possível que placas de gordura se formem e se acumulem nas artérias, o que pode levar à obstrução parcial ou total do fluxo sanguíneo que chega ao coração e ao cérebro. As dislipidemias podem ser manifestadas pelos seguintes fatores:

  • Níveis elevados de colesterol  LDL (conhecido como colesterol ruim);
  • Níveis baixos de colesterol HDL (conhecido como colesterol bom);
  • Níveis elevados de triglicérides.

Causas das dislipidemias

Existem dois tipos de dislipidemias, que se diferenciam de acordo com as causas:

Dislipidemia primária – surge devido à fatores genéticos. Normalmente, o pai ou a mãe também têm dislipidemia.

Dislipidemia secundária - pode ser causada por outras doenças, como diabetes, por uso de medicações, como diuréticos e corticoides. Ou ainda pelo estilo de vida sedentário e o consumo excessivo de alimentos gordurosos.

Sinais e sintomas de dislipidemias

As dislipidemias, geralmente, não causam sintomas. Por isso, pessoas dos grupos de risco devem consultar o médico e realizar os exames de rotina. A única forma segura de identificar as dislipidemias é por meio de exames de sangue periódicos.

Estilo de vida saudável pode prevenir dislipidemias

Os fatores genéticos não podem ser controlados, mas, adotar hábitos saudáveis é essencial para conseguir prevenir níveis altos do colesterol ruim e das triglicérides. Veja, a seguir, algumas dicas para prevenir esta doença:

  • Reduza o consumo de alimentos de origem animal, como carnes e queijos amarelos;
  • Evite alimentos açucarados ou açúcar refinado;
  • Coma cereais integrais, vegetais, frutas e alimentos com fibras regularmente;
  • Evite frituras;
  • Evite pratos prontos congelados;
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Evite consumo de bebidas alcoólicas;
  • Não fume.

As dislipidemias são perigosas e silenciosas, portanto, não hesite em procurar um médico para que ele analise seu caso e o oriente com formas de prevenção e de tratamento específicas.

 

Referências

https://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-dislipidemia/ - acessado em 31/01/2018

http://www.spsp.org.br/2008/11/24/o_pediatra_e_a_deteccao_e_manejo_das_dislipidemias/ - acessado em 31/01/2018

http://www.fpcardiologia.pt/saude-do-coracao/factores-de-risco/dislipidemia/ - acessado em 31/01/2018

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33884/412160/Saude_e_Economia_Dislipidemia_Edicao_n_6_de_outubro_2011.pdf/a26c1302-a177-4801-8220-1234a4b91260 - acessado em 31/01/2018

https://www.aafp.org/afp/1998/0501/p2192.html - acessado em 31/01/2018

https://www.hormone.org/diseases-and-conditions/heart-health-and-metabolism/dyslipidemia - acessado em 31/01/2018

http://www.msdmanuals.com/professional/endocrine-and-metabolic-disorders/lipid-disorders/dyslipidemia - acessado em 31/01/2018